Governo e avicultores viabilizam testes de triagem no Lanagro
Supermoveis



Governo e avicultores viabilizam testes de triagem no Lanagro

Fonte: Por Diário do Comércio
SHARE

O avanço da Influenza Aviária (IA) pelo mundo fez com que os avicultores e entidades representativas adotassem uma série de ações para que a produção de frango em Minas Gerais não seja afetada. Mesmo sem casos registrados no Brasil, o setor segue unido para criar barreiras e adotar medidas capazes de oferecer diagnóstico rápido e combate efetivo, caso ocorra alguma identificação da doença. A antecipação das medidas tem como objetivo garantir a sanidade do plantel.
 
Em Minas Gerais, uma das medidas de prevenção, segundo o superintendente técnico da FAEMG, Altino Rodrigues, foi a reunião feita no último dia 23 com a direção do Lanagro (Laboratório Nacional Agropecuário), em Pedro Leopoldo, quando foi solicitada a redução do prazo de realização dos exames que detectam a Influenza Aviária (IA) e a realização do teste de triagem, que antecipa os resultados.
 
Rodrigues explica que, no Brasil, o teste que identifica a influenza aviária é feito em Campinas (SP) e leva cerca de 30 dias para sair o resultado final. Mas, segundo ele, existe a opção do teste de triagem, que é rápido, e entre duas e quatro horas se tem o resultado indicativo para a doença. Este resultado preliminar é considerado fundamental para que, em casos positivos, ocorra a antecipação das ações para controle antes mesmo dos resultados finais comprovarem ou não a enfermidade.
 
“Fomos ao Lanagro saber se o laboratório é bem equipado e se pode fazer os testes de triagem. Vamos acompanhar para dar apoio naquilo que falta para que possa ser feito. A direção do laboratório ficou de fazer a relação de material e de pessoal necessários para a realização desse teste mais rápido. Como os kits de exames de triagem têm prazo de validade muito curto, o que dificulta ao laboratório fazer os exames, a Avimig (Associação dos Avicultores de Minas Gerais) se disponibilizou a adquirir este material a cada 60 dias”, disse Rodrigues.
 
Ainda segundo Rodrigues, os sintomas da influenza aviária são muito parecidos com outras enfermidades que acometem as aves. Por isso, a realização do teste de triagem é importante para que se identificar, o mais rápido possível, se tem a possibilidade de ser a influenza aviária, o que será confirmado, definitivamente, com os testes feitos em Campinas.
 
“Nosso objetivo é adotar as medidas de controle com base nos resultados do teste de triagem, independente se o teste definitivo vai ser positivo ou não. No caso da influenza aviária é melhor agir por excesso do que por omissão”, disse Rodrigues.
 Estado
Segundo o secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Pedro Cláudio Coutinho Leitão, o governo do Estado está tomando todas as medidas possíveis para que a produção de Minas Gerais não seja afetada pela influenza aviária. No Estado são 1.500 propriedades certificadas e os técnicos do IMA (Instituto Mineiro de Agropecuária) estão visitando e orientando sobre todos os cuidados necessários.
 
“A influenza aviária é uma questão realmente preocupante, estamos atentos e fazendo tudo que é possível do ponto de vista da defesa sanitária. Qualquer problema neste sentido poderia afetar de forma muito impactante a economia do Estado. Foi uma das primeiras ações conversadas com o IMA e já temos plano de contingência para esta questão. Sabemos que a migração das aves do Chile não vem para o Brasil, não é situação de pânico, mas é de responsabilidade”.
 Fundo
O analista de agronegócios da Faemg, Wallisson Lara Fonseca, ressalta que a criação do Fundo de Defesa Agropecuária é fundamental para o Estado, principalmente por permitir que ações de prevenção e controle de doenças sejam feitos rapidamente.
 
“Estamos preocupados, pois ainda precisamos consolidar, no Estado, o Fundo de Defesa Agropecuária. Ele nos dará tranquilidade no caso de epidemias e enfermidades como a influenza aviária, que é de grande relevância. É importante para que o setor tenha recursos e trabalhe preventivamente. Na pior das hipóteses, caso confirmada alguma enfermidade grave, poderemos atuar fazendo quarentena ou vazio sanitário nas regiões afetadas, dando suporte aos produtores com serenidade e agilidade. Estamos aguardando o parecer da ALMG (Assembleia Legislativa de Minas Gerais)”.
 Exportações de MG podem aumentar
O surto de influenza aviária em vários países poderá estimular o aumento das exportações de carne de frango do Brasil e de Minas Gerais. De acordo com o analista de agronegócios da FAEMG, Wallisson Lara Fonseca, no primeiro semestre do ano passado, quando foi identificado surto da doença nos Estados Unidos, o Brasil foi um dos beneficiados com a exportação e carne de frango.
 
“Podemos tirar proveito do status de livre da influenza aviária para conseguir expandir no mercado. Por isso, a expectativa é exportar mais em 2017. É preciso manter a vigilância e buscar novos mercados, inclusive os mais nobres, os que agregam valor ao produto.”
 
A influenza aviária atinge países da Europa, África e recentemente foi confirmado casos no Chile. A doença também já causou prejuízos nos Estados Unidos e Canadá.
 
Ao que tudo indica, 2017 poderá ser um ano positivo para a avicultura de Minas Gerais. A expectativa é de uma safra de grãos maior, permitindo que os custos de produção fiquem menores e agreguem competitividade ao produto. Além disso, a retomada da economia poderá ampliar o consumo interno de carne de frango.
 
O quilo do frango vivo em Minas Gerais é negociado em média a R$ 2,7, valor que está 1,4% menor que o praticado em igual período do ano passado. De acordo com Lara, a queda nas exportações ao longo do segundo semestre fez com que um maior volume do produto ficasse disponível no mercado interno, o que contribuiu para a queda do valor pago aos avicultores.