Governo de MT deve criar novo grupo da Polícia contra roubos e...
Fullbanner1

Fullbanner2


Governo de MT deve criar novo grupo da Polícia contra roubos e homicídios

Grupamento local deverá seguir modelo do Garra do estado de São Paulo.

Fonte:
SHARE
Foto - Dominique Torquato / AAN)

A Polícia Civil de Mato Grosso deverá criar um novo grupamento destinado para melhorar o tempo de resposta a crimes em andamento no estado, o Grupo Armado de Resposta Rápida (Garra), idealizado aos moldes do grupo de mesmo nome no estado de São Paulo. O estado publicou uma portaria no último sábado (20) para abrir um edital de seleção do delegado de Polícia Civil que deverá coordenar o Garra de Mato Grosso.

De acordo com a Polícia Civil, o Garra não terá caráter investigativo, mas de pronto-atendimento às ocorrências, com atuação repressiva a crimes em andamento – como roubos em geral, roubos de veículos, assaltos, furtos, homicídios e latrocínios. A estrutura do Garra ficará vinculada à Gerência de Operações Especiais (GOE), sediado em Cuiabá.

A criação do grupo ainda depende da publicação de um decreto governamental, mas a Polícia Civil já está abrindo etapa de inscrições para delegados, que se encerra já no dia 1º de março – conforme publicado na edição deste sábado do Diário Oficial do Estado. Os candidatos passarão por testes físicos, análise curricular e entrevista. O candidato escolhido será lotado após a devida institucionalização do Garra.

O anúncio do novo grupamento é uma das respostas da Secretaria estadual de Segurança Pública (Sesp) aos índices atuais de criminalidade no estado e, neste cenário, Cuiabá tem inspirado preocupação.

No último dia 15, o titular da Sesp, Fábio Galindo, declarou em entrevista à Rádio Centro América FM que a capital não tem atingido resultados tão promissores na redução da criminalidade quanto os registrados no interior do estado ou até mesmo na cidade vizinha de Várzea Grande, na região metropolitana. “Em Cuiabá, vivemos um ponto crítico de violência. Violência de manhã, em pleno dia, homicídio gravíssimo, brutal”, afirmou Galindo.

Fonte: G1

Montreal