Goleiro do Inacreditável FC: Prass brinca com lances perdidos por rivais
Adventista



Goleiro do Inacreditável FC: Prass brinca com lances perdidos por rivais

Fonte: Felipe Zito
SHARE

Domingo passado, na vitória sobre o Santos, na Vila Belmiro, o goleiro do Plameiras, Fernando Prass, voltou a mostrar sua condição com defesas impressionantes. Mas o clássico provou, também, outra qualidade do camisa 1: sorte. O próprio goleiro riu ao lembrar que esteve presentes em lances dignos do Inacreditável Futebol Clube.

– Nesses lances, não passa nada na cabeça. Só penso “deu m…”. . É a sensação que vai sofrer o gol, mas as coisas dão certo. Tem de ter sorte também – comentou o goleiro, durante sua entrevista coletiva nesta segunda-feira. Com Prass no gol do Vasco, Deivid perdeu chance clara pelo Flamengo, no Campeonato Carioca de 2012. Já no Palmeiras, Prass viu Herrera, então no Vasco, no Brasileiro de 2015, e dois santistas (Nilson, na final da Copa do Brasil de 2015, e Vitor Bueno, domingo passado, pelo Paulistão) terem o mesmo destino. Veja os lances no vídeo acima.

A jogada envolvendo Vitor Bueno, quando o clássico ainda estava 0 a 0, fez Fernando Prass respirar aliviado.

– Naquele momento, o jogador deles tinha cruzado, desviou no Dracena e me
matou, matou o Dracena e o Zé. A única coisa que a gente tinha era o imponderável. Quando a bola sobrou pra mim já começa outro lance. Graças a Deus – disse. Prass diz que o lance mais bizarro (e engraçado) é o do gol perdido por Deivid, há cinco anos. Ele diz que nem viu na hora, pois estava reclamando de impedimento.

– Esse lance do Vasco foi um dos mais engraçados. O Léo Moura veio pelo
fundo, cruzou, a bola passou por mim. Eu virei e vi o Deivid levantando
a perna para chutar para o gol. Eu virei para o assistente para
reclamar impedimento e quando voltei o Dedé estava saindo com a bola. Eu
perguntei para o Fagner o que houve, ele falou que não tinha sido gol.
Eu falei: “Como não?”. Eu não tinha visto o resto do lance.

Prass, porém, não se sente sempre acompanhado pela sorte. Ele lembra que, às vezes, o azar também pode acompanhá-lo, como no empate por 1 a 1 diante do Santos, pelo primeiro turno do Campeonato Brasileiro, no estádio do Palmeiras (veja abaixo).

– Algumas vezes vai contra a gente. Eu me lembro contra o Santos, no ano passado, Gabigol chutou uma bola que vinha na minha mão, desviou nas costas do Vitor Hugo e entrou bem no cantinho. As coisas acontecem para um lado e para o outro. Ainda bem que nesse jogo (do último domingo) foi para o nosso lado. Era um momento difícil tomar um gol ali, poderia complicar o jogo.