Gestão de mudanças é desafio para as organizações
Supermoveis

Fullbanner2


Gestão de mudanças é desafio para as organizações

Fonte: Assessoria
SHARE

Toda organização ambiciona, no mínimo, sobreviver às adversidades de um mercado extremamente competitivo. Na mesma intensidade, elas também almejam prosperar, buscar novos espaços no mercado, maior estabilidade para seus negócios e diminuir seu nível de vulnerabilidade. Contudo, o ritmo imposto para mudanças foi acelerado pela natureza interconectada do mundo de hoje. Competir na economia do século 21 exige incessante adaptação.

É o que apontou o professor associado da Fundação Dom Cabral (FDC), o especialista Reinaldo Theodoro Ferreira Lucas, na palestra “Como Sua Empresa Se Prepara Para As Mudanças?”, durante o Comitê de Presidentes, realizado recentemente em Cuiabá. Na ocasião, Reinaldo debateu com empresários mato-grossenses sobre a evolução e mudanças nas empresas em tempos que exigem cada vez mais preparo e agilidade para superação de desafios.

12345

“A velocidade com que as mudanças estão acontecendo é muito maior do que era antes. Sem contar que essa pressão para mudar vem de diversas fontes – seja pela globalização, pelas mudanças tecnológicas, pela rápida obsolescência de produtos e serviços, pela evolução exponencial, pela mudança natural de grupo de trabalho ou pelo valor percebido pelo cliente, entre outros”, comenta.

TEMPO CERTO – Conforme explica o professor, há dois componentes muito importantes para uma empresa inovar e mudar: uma liderança que perceba o momento certo de mudar e que saiba mobilizar a organização para tal objetivo, bem como a presença de mecanismos de gestão. Isto, levando-se em consideração que processos de evolução e mudança atingem também as gerações e famílias que atuam nessas organizações.

“Tudo na vida funciona dentro de um ciclo, que é chamado ‘Ciclo da Evolução dos Organismos’, que tem cinco etapas: formação, tumulto, normalidade, desempenho e acomodação. Qual é o tempo deste ciclo? É muito relativo. Dizem que na vida dos indivíduos é em torno de sete anos. Nas empresas, ocorre algo similar. Mas, é importante percebermos qual é o momento em que a empresa começou a se acomodar”, ressalta.

Renato complementa que mudar a realidade – e inovar – requer ação. Enquanto que mudar a percepção da realidade – com criatividade – requer reflexão. “Em mudanças, o difícil é fazer com que todos tenham a mesma percepção. Muitas vezes, pode ocorrer resistência individual e/ou organizacional. Mudar requer maturidade. Reconhecer em qual estágio que a empresa se encontra. Identificar o motivo pelo qual mudar e o que irá mudar”, pondera.

APRIMORAMENTO CONSTANTE – De olho no futuro e a fim de investir na excelência da sua gestão, empresas mato-grossenses de médio porte já estão buscando novos recursos para aumentar sua competitividade e elevar seus resultados. Entre eles, está o programa Parceiros para a Excelência (PAEX), da Fundanção Dom Cabral, adotado há dois meses pelo Grupo Beira Rio.

“Apesar de estarmos há 30 anos no mercado, enxergamos a necessidade de profissionalizar o nosso negócio – cuja origem é familiar. Com o programa e o know-how da FDC, estamos introduzindo ferramentas de gestão para otimizar e desenvolver ainda mais o grupo. Em pouco tempo, já estamos vendo resultados e percebemos que estamos no caminho certo – nos tornando bem assertivos”, comenta o diretor do Grupo Beira Rio Luiz Augusto Rebouças Jr.

123

Pensamento reiterado pelo diretor das lojas Moda Verão, Junior Vidotti, que destaca que é preciso preparar a empresa para o futuro – melhorando a gestão e a governança. “O processo de amadurecimento das empresas exige estarmos atentos às mudanças em prol de evoluir. Programas como o PAEX, que é continuado, auxiliam ainda mais nesse sentido”, enfatiza.

1234

FUNDAÇÃO DOM CABRAL – A Fundação Dom Cabral foi criada em Belo Horizonte em 1976 e tem como missão a educação executiva, com atividades no Brasil e no exterior. Em Mato Grosso, a FDC é associada ao Grupo Valure, que é presidido pela empresária e consultora de recursos humanos Lorena Lacerda.

Montreal