Frustrado, defensor dá show de demagogia
Fullbanner1

show


Frustrado, defensor dá show de demagogia

Fonte: Da Redação
SHARE

Irmão do deputado federal, Valtenir Pereira (PMDB), e um colecionador de derrotas nas eleições municipais de Rondonópolis, onde já há algum tempo pleiteia, sem sucesso, tornar-se vereador, o defensor público, Valdenir Pereira (PMB), sabe-se lá por quê, foi um dos convidados para participar e ter voz de debate em um evento de capacitação, nesta semana, que o Tribunal de Contas do Estado – TCE está fornecendo aos vereadores, servidores, secretários e aos prefeitos da região sul, em solo rondonopolitano.

Em meio a um momento de questionamentos, resolveram dar o microfone a Valdenir e ele partiu para a tentativa de fazer o chamado “discurso da galera”, demonizando a verba indenizatória, hoje em torno de R$ 10 mil, que os vereadores recebem além do subsídio (salários) para executar suas atividades parlamentares. Mesmo depois de confirmada e esclarecida a legalidade do tal repasse aos gabinetes, pelos conselheiros do TCE presentes – desde que feita a apresentação de um relatório quanto as aplicações dos recursos – Valdenir fez questão de reiterar o discurso de enlameamento dos vereadores, chamando a verba de ‘incremento remuneratório’ e ‘acréscimo patrimonial’. O defensor argumentou que a sociedade não tem como acompanhar o uso desses valores, já que os tais relatórios “não convencem ninguém”.

O final deselegante da fala de Valdenir, já que é claramente duvidoso quanto a honestidade dos parlamentares rondonopolitanos – muitos ali presentes durante o debate – acabou soando, no entanto, um tanto quanto demagógico. Isto porque, Valdenir ganha, segundo o Portal da transparência da Defensoria Pública de Mato Grosso, um salário líquido de R$ 18.921,89 e além do belo rendimento, assim como todo defensor no estado, é disponibilizado dos cofres públicos a si, desde 2015, mais R$ 3 mil mensais de auxílio-moradia, o que, diga-se de passagem, em Rondonópolis significa uma nobre residência, e outros R$ 3 mil de auxílio transporte, que em um cidade do interior também denota boas condições de não se preocupar mais com gasolina. Só para personalizar um pouco mais a questão, Valdenir mora por volta de 500 metros do seu trabalho, em casa própria.

E por pouco, mas muito pouco mesmo, o salário dos defensores públicos de Mato Grosso não foi elevado ao teto constitucional, ou seja, aos mais de R$ 33 mil que ganham os ministros do Supremo Tribunal Federal – TSF. Não fosse o juiz Luis Aparecido Bortolussi Junior, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Popular, ter julgado improcedente uma ação coletiva da Associação Mato-Grossense dos Defensores Públicos (Amdep), certamente apoiada por Valdenir, a Defensoria Pública de Mato Grosso, com seus quase 200 defensores, passaria a custar bem mais dos que os já acima de R$ 120 milhões anuais que impactam os cofres do estado.

Bater na classe política atual do Brasil, valendo-se do desgaste que a mesma acumulou junto a sociedade, é talvez uma das tarefas mais fáceis da sociedade nacional. Mas quando isso vem de um outro servidor público, que, na visão do próprio público, também goza de regalias igualmente desproporcionais, forma-se algo ainda mais profundo do que sinaliza o título desse texto. Não se trata mais de apenas querer manipular a opinião alheia, mas de usar de cinismo. A verba indenizatória dos vereadores é tão legal quanto os auxílios dos defensores públicos do estado, sendo, para o povo, tão imoral quanto…

 

6 COMENTÁRIOS

  1. Expressar opinião não é ser demagogo!
    Na minha opinião essa Verba serve também para pagar por matérias como essa!
    Será que é justo comparar os vencimentos de um Defensor Público, que dedicou grande parte de sua vida aos estudos para lograr exito em concurso, aos de um vereador?
    O dia das mães está chegando, logo aparecerão fotos com votos de “feliz dia das mães”, desejados por nossos vereadores em diversos canais de comunicação de nossa cidade.

  2. Faço minhas as palavras de João Carlos. Valdenir é um cidadão honesto, digno e ocupa um cargo dos mais importantes na nossa cidade. Um exemplo que deveria ser seguido. O fato de colecionar derrotas é melhor que colecionar processos e na verdade essa verba realmente e imoral.

  3. O moço parece ter necessidade de comentar alguma coisa, mesmo não sabendo o que fala. Se eu não conhecesse o Dr Valdenir até poderia ler, e por em duvida o seu carater.
    Mas eu o conheço, sei que o Dr Valdenir passa longe de coisa errada. Sei que ele é preparado para defender a sociedade de qualquer situação, inclusive é defensor público, e, não mora a 500 metros da defensoria.
    Então cidadão, quando tiver a necessidade de comentar, sabe se lá porque ou por quem!…e quiser que alguém te escute, é melhor recorrer a melhores informações…É como dizes, há pessoas com teias de aranha no cérebro, e só assim se pode explicar o que comenta.

  4. O próprio Valtenir escreveu o primeiro comentário, mas colocou outro nome. Quando diz: “expressar minha opinião…”, fica claro que é ele. Assim como o tal Mauro deve ser também. Porque esse advogado para pessoas de baixa renda não se junta ao irmão deputado federal fim de carreira para juntos combater o desperdício que a verba indenizatória dos deputados. Criticar o vereador é fácil, critica o irmão uai, já que você pode começar demonstrando o exemplo de casa!

    • Só me resta rir desse Zezinho!
      Zero em interpretação, sem falar que troca VALDENIR por seu irmão VALTENIR!
      Será que não se trata do próprio editor da matéria???

DEIXE SEU COMENTÁRIO

SHARE
Previous articleJudiciário Estadual terá expediente normal
Next articleWillian, Samuel Xavier, Uribe, Bruno Henrique e Guilherme: qual "pintura"?