Fiúza pode ser preso por falsificar assinatura à PF em perícia de...
Supermoveis

show


Fiúza pode ser preso por falsificar assinatura à PF em perícia de ata

Fonte:
SHARE
Foto: Reprodução.

O segundo suplente da chapa que levou Pedro Taques (PSDB) ao Senado, em 2010, Paulo Fiúza, então do PV, pode ser preso por possivelmente ter falsificado sua própria assinatura para a Polícia Federal – PF, em meio a um procedimento recente de exame grafotécnico, solicitado pelo Tribunal Regional Eleitoral – TRE. A inspeção visava detectar possível falsificação de assinaturas na ata que registrou as candidaturas, em processo requerido pelo derrotado no pleito, Carlos Abicalil (PT).

Segundo conclusão dos peritos da PF – em laudo finalizado no último dia 31 de janeiro – das 14 assinaturas analisadas, de um total de 23 constantes na ata original, apenas a de Fiuza apresentou divergências nas ‘gêneses, calibres e dinamismos (maior no padrão), na quantidade de laçadas horizontais, além de retoques e momento de parada na assinatura questionada’.

Em uma linha de análise mais superficial, a dissonância envolvendo exatamente o segundo suplente em meio a inspeção das assinaturas, pode levá-lo a condição de vítima, ao poder ter sido passado, de maneira fraudulenta, da primeira para a segunda suplência. Mas uma outra vertente, já considerada, demonstra-se que Fiúza, tentando driblar a perícia da PF, apresentou ao exame, de maneira premeditada, assinatura diversa da que normalmente usa e da que utilizou na ata.

Assinaturas de Fiúza encontradas em outro processo do mesmo caso no próprio TRE, mostram registros do segundo suplente idênticos ao da ata, mas diferente dos que ele passou agora para a PF inspecionar. Caso confirmado o crime de Fiuza, ao tentar ludibriar os peritos e a Justiça Eleitoral, o madeireiro do norte do estado poderá ser enquadrado em falsidade ideológica, falsificação de documento público e até obstrução da justiça. Só este último crime poderia lhe gerar até oito anos de cadeia.

Já em caso de condenação de toda a chapa, com TRE e posteriormente o Tribunal Superior Eleitoral – TSE entendendo pela falsificação e inocência de Fiúza, os efeitos jurídicos gerariam a posterior cassação do mandato do senador José Medeiros (Pode), a declaração de sua inelegibilidade e, ainda, o impedimento do projeto de reeleição do governador Pedro Taques, que também se tornaria inelegível.

Foto: Reprodução.