Feira Itinerante da agricultura familiar amplia horários e pontos de vendas
Supermoveis



Feira Itinerante da agricultura familiar amplia horários e pontos de vendas

Fonte: Assessoria
SHARE
Foto: Divulgação.

Os produtos da agricultura familiar estarão ainda mais próximos da população a partir de 2018, com a ampliação do número de feirantes participantes e de horários de funcionamento, bem como com a inclusão de novos bairros no itinerário das feiras.

Desde o ano passado, os várzeagrandenses estão tendo acesso a produtos frescos, orgânicos e não orgânicos chancelados pelos pequenos agricultores do Município. Além de qualidade, hortifrutigranjeiros, compotas, doces, flores, artesanato e praça de alimentação, estão chegando a preços acessíveis, já que o modelo da feira itinerante elimina a figura do atravessador.

O projeto ‘Nossa Feira Itinerante VG’ foi criado e vem sendo desenvolvido pela prefeitura de Várzea Grande, por meio da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural Sustentável. “O ano de 2017 fechou com cinco pontos e 12 feirantes. Para 2018, até fevereiro, estaremos com 38 feirantes, novos bairros atendidos e horários estendidos como no Várzea Grande Shopping, onde a feira passa a ser de quarta a sábado, todas as semanas”, explica a secretária da Pasta, Helen Farias Ferreira.

Ainda conforme a titular, a feira do shopping, por exemplo, começou sendo realizada todas as quintas-feiras, passou a ser de quinta-feira a sábado e para esse ano ganhará mais um dia. “Essa demanda por produtos mostra que nosso intuito está sendo concretizado, pois estamos não apenas divulgando a produção agrícola dos pequenos agricultores de Várzea Grande, como também levando qualidade à mesa das famílias. Desde o princípio, quando imaginamos as feiras itinerantes, nosso foco era o de fomentar a produção, ampliando a demanda, mas acima de tudo, mostrar como é importante a participação desses produtores no nosso dia-a-dia”.

Bairros como o Ouro Verde e o Ipase (nas quadras) estão entre os novos pontos de realização da feira. A definição de datas, horários e de outros locais estão sendo fechados pela equipe técnica da Secretaria e em breve serão confirmados.

Até o final desse mês, a Secretaria de Estado de Agricultura Familiar e Assuntos Fundiários (Seaf) estará entregando para algumas prefeituras bancas para melhorar e ou ampliar a realização das feiras itinerantes. Várzea Grande vai ganhar 38 novas bancas, o que segundo a secretaria municipal, irão renovar as barracas existentes e possibilitar o ingresso de novos comerciantes. “São bancas padronizadas em 3×3 e durante esse primeiro semestre, outras deverão ser entregues”, explica a coordenadora do projeto, Glaucy Kelly Enciso Alves.

Levantamento da secretaria municipal mostra que 911 famílias que vivem e sobrevivem do ambiente rural no Município garantindo toda semana a oferta de frutas, verduras e legumes frescos. A localidade rural que possui a maior movimentação econômica na agricultura familiar é o Distrito do Limpo Grande. A secretária Helen explica que além de fomentar a demanda, a prefeitura tem levado assistência técnica e auxiliando na comercialização da produção.

“A feira livre pode ser considerada a mais significativa opção disponível para os pequenos agricultores de base familiar comercializarem seus produtos. Os agricultores familiares, que optam pela feira livre, têm como principais condicionantes a questão do relacionamento direto com os consumidores, onde os mesmos criam vínculos sociais e de negócios”, reforça Helen Farias Ferreira.

VENDA – Os pontos em pleno funcionamento estão localizados na praça do bairro Jardim Glória II, no Paço Municipal, no Várzea Grande Shopping e na Central de Abastecimento de Agricultura Familiar.

Na feira itinerante de produtos da agricultura familiar encontra-se: melancia, abacate, laranja, mexericas, tamarindo, abacaxi, abóbora, batata doce e inglesa, couve, alface, tomate, temperos, salsinha, cebolinha, maxixe, jiló, rúcula, entre outras, além de  produtos naturais como mel, ovos, galinha, queijo, doces artesanais, plantas medicinais e uma infinidade de ‘quitutes’ preparados nos locais, como pastéis e caldo de cana.