Fabrício é enquadrado a pagar dano causado ao Município
Supermoveis


Macropel

Fabrício é enquadrado a pagar dano causado ao Município

Fonte: Da Redação NMT
SHARE
Foto - Reprodução

O ex-procurador geral do Município e de Percival Muniz (PPS), o advogado Fabrício Miguel Corrêa, terá que ressarcir os cofres públicos pelos custos gerados com o acidente automobilístico em que se envolveu com uma Ford Ranger que pertence a Prefeitura de Rondonópolis, dirigida por ele durante a gestão anterior. Fabrício chocou-se com outro veículos e acabou batendo de frente a um posto na movimentada rua Francisco Félix, na região do bairro Santa Cruz, centro da cidade. A atual gestão, comandada por Zé Carlos do Pátio (SD), decidiu por deliberar com uma sindicância administrativa para apurar o ocorrido e após ouvir várias testemunhas achou por bem por cobrar de Corrêa o prejuízo. A decisão foi publicada no Diário Oficial do Município – DIORONDON – no último dia 5 de dezembro.

No campo político e nas avaliações de bastidores, Fabrício é tido como um dos responsáveis pelo insucesso de Percival em seu projeto de reeleição que naufragou em 2016. O ex-procurador marcou a gestão com o carimbo da truculência no tratamento com outros representantes públicos, como foi o caso dos vereadores da legislatura anterior, bem como empresários e outros prestadores de serviços, além da própria população, quando buscavam relacionamento com o então comandante do Poder Público Municipal. Percival deu autonomia para Fabrício e ao também advogado, Eduardo Weigert Duarte, para ambos falarem por ele. Apesar da fidelidade da dupla com Muniz, lhes faltou cacoete e habilidade política para conduzir os relacionamentos como assessores de primeira hora do prefeito.

Fabrício literalmente colecionou polêmicas desde sua entrada no alto escalão logo no início da última gestão, indicado por uma magistrada renomada da cidade diretamente a Percival. O perfil linha dura, em pouco tempo depois também se revelou como um grande colecionador de inimigos e de problemas com a justiça. Corrêa teve, por exemplo, um entrevero com o Ministério Público Estadual – MPE pelo órgão ter acolhido em desfavor dele uma denúncia de descumprimento da legislação no que tange a não poder seguir executando advocacia privada estando na condição de procurador do Município. Mesmo questionado pelo acusado, a Turma de Câmaras Cíveis Reunidas de Direito Público e Coletivo do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT) fez com que o inquérito instaurado seguisse, na época.

Fabrício respondeu na oportunidade que toda a situação se deveu apenas pelo fato de ainda chegar para si intimações do processo que havia advogado antes e que ele não pode renunciar de uma hora para outra em virtude do risco da perda dos honorários. Sobre o caso da reposição dos recursos da camionete que bateu, Fabrício respondeu ao site rondonopolitano “Marreta Urgente” que a decisão é fruto de uma perseguição de Pátio contra ele e deixou claro que levará, se for necessário, o caso até a Justiça.  Corrêa ainda aproveitou para por a culpa do acidente no condutor da Hilux que ele colidiu antes de dar de frente com um poste. Testemunhas ouvidas na ocasião, porém, disseram ter sido o próprio Fabrício a não respeitar a preferencial do veículo Toyota.

Mesmo com todo o histórico que adquiriu com Percival Muniz quando efetivamente se tornou uma figura mais conhecida em Rondonópolis, Fabrício ainda conseguiu cavar uma vaga na Administração de Léo Bortolin (PMDB), em Primavera do Leste, e participa naquela cidade com destaque na gestão que assumiu o Executivo Municipal com a queda de Getúlio Viana (PSB).

 

Montreal