Esquema na Sefaz, reduzia pela metade IPVA de carros de luxo e...
Adventista

Fullbanner1


Esquema na Sefaz, reduzia pela metade IPVA de carros de luxo e gerou rombo de R$ 8 milhões

O crime foi descoberto pela própria Sefaz, que acionou a Delegacia Especializada em Crimes Cibernéticos, da Policia Civil, que contou com o apoio da secretaria para o andamento das investigações iniciadas em junho desse ano.

Fonte:
SHARE
Foto: UOL (Ilustrativa)

O esquema milionário que gerou um rombo de quase R$ 8 milhões aos cofres públicos de Mato Grosso teria sido arquitetado de dentro da Secretária de Estado e Fazenda de Mato Grosso (Sefaz). A informação foi repassada pelo próprio Secretário Paulo Brustolin na tarde desta quarta-feira, 25. O suspeito de comandar todo o esquema seria o servidor de carreira, Marciano Benetti, que está preso desde a manha de hoje.

A operação “Tredo” foi deflagrada por policiais da Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra Administração Pública (Defaz) para combater fraudes no de Sistema de Imposto Sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). As investigações apontam que a organização criminosa vendia de dentro da secretaria facilidades no serviço. Além da cobrança de um valor pela metade no IPVA, serviços como transferências e isenção de 1º emplacamento eram fornecidos a esses clientes, caracterizados como “gatos”.

O crime foi descoberto pela própria Sefaz, que acionou a Delegacia Especializada em Crimes Cibernéticos, da Policia Civil, que contou com o apoio da secretaria para o andamento das investigações iniciadas em junho desse ano.

Durante as investigações, a polícia descobriu que os servidores acusados utilizavam login e senha de outros servidores para cometer as fraudes na intenção assim de desviar indícios da autoria dos crimes. Esses servidores credenciavam pessoas físicas para realizar o processo de selecionar os “gatos”, os clientes que se beneficiavam de alguma forma, ou por ordem financeira ou por fins de facilidade.

O delegado da Defaz, Anderson Veiga, que comandou as investigações disse que tanto pessoas jurídicas como pessoas físicas estão envolvidas no esquema. “São mais de 3,5 mil fraudes envolvendo veículos automotores de luxo. Grande parte dos donos desses veículos, que de alguma forma tiraram proveito da fraude já foram identificados, os valores abstraídos com os esquemas serão cobrados e os envolvidos penalizados,” garantiu o delegado.

Veiga disse ainda que as investigações continuam em andamento e há possibilidade de novos servidores estarem envolvidos. O levantamento do rombo já chega a quase R$ 8 milhões, sendo que esse valor pode vir a ser ainda maior após as conclusões das investigações que devem ser finalizadas em até 60 dias.

“Dos seis mandados de busca e apreensão apenas cinco foram cumpridos, uma pessoa que não é servidor está foragido, mas a PC disse que as medidas necessárias para o cumprimento da prisão já estão tomadas. Os servidores presos devem continuar em detenção, e deverão ser destituídos do cargo”, completou Anderson.

Como funcionava

O servidor escalava pessoas de fora da secretaria que tinham contato com empresas, despachantes, locadores de veículos de luxo, e semelhantes. Essas pessoas capitavam os clientes donos dos veículos, selecionados tanto em Cuiabá como no interior do estado.

Com uma oferta de uma retribuição de 60% do valor real do tributo, o cliente “comprava” o serviço. O intermediador recebia em média 10% do valor da capitação, ficando ao servidor uma média de quase 40% dos valores arrecadados com o esquema.

Fonte: 24 Horas News