Equipe da administração municipal sana dúvidas dos vereadores quanto à realização do...


Equipe da administração municipal sana dúvidas dos vereadores quanto à realização do Carnaval 2017

0
Fonte: Assessoria
COMPARTILHE
Foto: Wheverton Barros

O vice-prefeito de Rondonópolis Ubaldo Barros, o procurador geral do município, Anderson Flávio Godoi e os secretários municipais estiveram na terça-feira (13) na Câmara Municipal esclarecendo todas as dúvidas dos vereadores a respeito da realização do Carnaval de 2017.

Na ocasião, o procurador Anderson Godoi apresentou aos vereadores cláusulas do contrato da empresa vencedora do processo licitatório que ganhou o direito de explorar o evento economicamente e ficou responsável por realizar os pagamentos das bandas musicais.

O procurador aproveitou a oportunidade para esclarecer questões relacionadas ao contrato e em relação ao não pagamento da cessão de uso pela empresa.

“Um ponto a ser esclarecido aqui, é que durante a realização do evento o contrato estava em vigência, o inadimplemento da empresa ocorreu após evento e vamos cobrar que ele pague ao município o que deve, e se necessário indo a Justiça,” explicou o procurador.

Godoi aproveitou também para esclarecer uma informação que tem sido divulgada equivocadamente.

“Há uma informação equivocada de que houve a publicação do edital da licitação e a ocorrência da licitação no mesmo dia, isso não é verdade. O que aconteceu a publicação da licitação ocorreu dia 07 de fevereiro, como era pregão teria que esperar 15 dias para aguardar o certame. O que ocorreu no dia 21 fevereiro foi o resultado da licitação e não a convocação como está sendo divulgado, qualquer cidadão pode buscar essa informação no diário oficial do município,” informou o procurador.

No período da manhã, o vice-prefeito Ubaldo Barros deixou claro aos parlamentares a sua participação no Carnaval 2017. Ubaldo lembrou que o direito de explorar o evento foi de responsabilidade da empresa Gileno Gomes de Almeida ME, bem como, o pagamento de bandas e músicos e que há portaria na qual ele seja O organizador do evento.

O vice-prefeito ressaltou também que não autorizou a contratação de cantores e bandas e que a empresa não conseguiu o lucro almejado com o evento. Ubaldo informou que há documentos que provam os pagamentos pendentes do
Carnaval deste ano e que não passam de R$ 118.400, contrariando a informação vinculada de R$ 600 mil.

Toda equipe da administração municipal esclareceu os questionamentos e se colocaram a disposição para sanar quaisquer dúvidas.