“Enganado” por Galli, Bolsonaro esboça apoio a Carmem em Primavera e recua...
Supermoveis

Fullbanner2


“Enganado” por Galli, Bolsonaro esboça apoio a Carmem em Primavera e recua ao saber de atos da candidata

Fonte: Da Redação
SHARE
Foto - FLAVIO TAVARES/JORNAL HOJE EM DIA/Estadão Conteúdo

Pré-candidato a presidência da República em 2018, o deputado federal do Rio de Janeiro e segundo na maior parte das pesquisas nacionais de intenção de voto, Jair Bolsonaro, que ainda faz parte do Partido Social Cristão (PSC), foi acuado pelo colega de parlamento de Mato Grosso, Victório Galli (PSC), e gravou um vídeo nesta semana citando o nome da candidata Carmem Betti (PSC), que concorre ao cargo de prefeita de Primavera do Leste nas eleições extemporâneas do próximo dia 19, consequência da cassação do “ficha suja”, Getúlio Viana (PSB).

Apesar de não ter pedido, explicitamente, votos, o complemento de Galli ao citar “20 Neles”, em referência a numeração do partido e de Carmem nas urnas, taxou o presidenciável de apoiar também o grupo político em questão.

Ocorre que, mesmo sendo do mesmo partido, Carmem tem condutas e ideologia totalmente antagônicas a de Bolsonaro. Enquanto o parlamentar federal é de extrema direita e um crítico de todos os movimentos invasores do Brasil, sobretudo os de propriedades privadas na zona rural, a candidata ao cargo máximo de Primavera é uma quase militante da causa. Nos últimos tempos, uma onda de grileiros e ações ilegais do tipo têm sido registradas não só em solo primaverense, mas também na vizinha Poxoréo. Em todos os casos, a vereadora de segundo mandato, que quer virar prefeita, apoiou a ilicitude, viajou a Cuiabá, e “advogou” em nome dos manifestantes, articulando defesas jurídicas e políticas.

Ao saber do histórico da ainda correligionária, já que prepara sua saída para concorrer a presidência em outra agremiação, Bolsonaro tratou de gravar um novo vídeo, desta vez sem a presença de Galli, e pediu “desculpas” ao povo de Primavera pelo mal entendido. O pré-candidato ao posto mais alto do poder público nacional sinalizou que não pediu votos e deixou claro que não compactua das ideias de ninguém que apoie “MST” ou outros invasores.

Mesmo com o cuidado de não citar novamente o nome de Carmem, Bolsonaro mostrou que alguém lhe puxou as orelhas e fez questão de ressaltar que está ao lado do “verdadeiro” homem do campo, o que produz.

Vale a crítica que está faltando boa assessoria ou, no mínimo, jogo de cintura da parte do pré-candidato para não produzir desgaste contra si mesmo. Em plena era digital, uma gravação pode engrandecer um representante público, ou jogá-lo na lona.

Acompanhe os vídeos:

 

 

Montreal