Eleições 2018 obrigam Planalto a trocar comando de 14 ministérios
Adventista

Fullbanner1


Eleições 2018 obrigam Planalto a trocar comando de 14 ministérios

Fonte: R7
SHARE
Três pastas já têm novos ministros Valter Campanato/Agência Brasil - 31.08.2016

O Palácio do Planalto será obrigado a fazer pelo menos 14 trocas ministeriais no mês de abril por conta da saída de chefes das pastas que vão disputar as Eleições 2018.

As mudanças já começaram e, para esta segunda-feira (2), já está marcada a cerimônia de posse do novo ministro da Saúde, Gilberto Occhi, e do novo chefe dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Valter Casimiro Silveira.

O novo presidente da Caixa Econômica Federal, Nelson Antônio de Souza, também será empossado pelo presidente Michel Temer nesta segunda. A cerimônia está marcada para 10h30.

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (MDB-RR) afirma que, pelas contas do governo, o presidente Michel Temer ainda precisa escolher 11 nomes para compor o comando dos ministérios.

Até agora, além de Saúde e Transportes, também está definido o novo ministro do Planejamento — este último foi oficializado após a reunião deste domingo (1º) com a escolha de Esteves Colnago, secretário-executivo da pasta, para o lugar de Dyogo Oliveira, que vai para o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Ministérios sem ministro

As pastas que ainda precisam de um novo ministro são: Ministério do Trabalho e Previdência Social e Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, que estão com cargos de interinos, Esportes, Turismo, Integração, Desenvolvimento Social, Educação, Ciência e Tecnologia, Minas e Energia, Fazenda e Meio Ambiente.

Jucá diz que o presidente Michel Temer ainda está analisando quais nomes vão compor a nova fase de governo e que está “trabalhando com afinco” para acelerar as mudanças.

— Outras mudanças o presidente está analisando, discutindo, conversando com os ministros que sairão e, portanto, vai ter a condição de formar ainda essa semana todo o gabinete ministerial.

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (MDB-MS), negou neste domingo que a indicação de Esteves tenha sido um “nome do Jucá” e afirmou que a escolha “garante continuidade nos trabalhos do Planejamento”.

— A pessoa que foi ouvida de forma mais decisiva sobre nome do Planejamento foi o Dyogo.

A escolha de Colnago para o Planejamento representa uma vitória do grupo de Dyogo e Jucá em relação a Meirelles, que tentava emplacar o secretário de Acompanhamento Fiscal da Fazenda, Mansueto Almeida, para o cargo.

Segundo apurou Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, Oliveira defendeu a permanência de seu secretário-executivo sob o argumento de que a escolha dele dará sentido de continuidade aos trabalhos, já que Conalgo conhece bem o funcionamento da pasta e é funcionário público há mais de 20 anos. Havia a previsão de que Meirelles participasse da reunião deste domingo, mas ele não compareceu.

Ministério da Fazenda 

Segundo Marun e Jucá, o nome do secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Eduardo Guardia, para assumir a pasta ainda não foi definido, pois o ministro Henrique Meirelles “ainda está no cargo”. Meirelles não estava na reunião deste domingo (1).

— A conversa com o presidente Temer e o ministro Meirelles continua, mas não está ainda no nível de confirmação.

O senador, que é presidente do MDB, reiterou que nesta terça-feira (3) Meirelles vai se filiar ao partido e “posteriormente deverá combinar com o presidente a saída do cargo de ministro e a substituição”, completou.

Jucá negou que haja impasse em relação à substituição de Meirelles.

— Não há impasse. O que há são tratativas. Como o ministro Meirelles não saiu ainda, em tese, ele está conversando e esgotando dentro da equipe os caminhos que ele pode propor e o presidente vai ouvir com muita atenção.

Marun foi na mesma linha e disse que “Guardia tem grandes chances de vir a ser ministro da Fazenda, mas o presidente ainda não decidiu”. Ele destacou que o secretário-executivo “preenche os requisitos para ocupar essa função”, mas que ainda não será anunciado antes de Meirelles oficializar sua saída.

— Não vamos nomear outro ministro enquanto Meirelles estiver no ministério.

De acordo com Marun, a ideia é que a posse da equipe econômica aconteça na quinta ou sexta-feira desta semana. Ele afirmou que “ministro tem que ter trânsito político, mas isso não quer dizer que temos necessidade de colocar políticos à frente de ministérios”. Jucá também reforçou o discurso ao dizer que “cargo de ministro é político”.

O deputado Darcisio Perondi (MDB-RS), que também estava na reunião, afirmou que Temer e Meirelles ainda estão definindo “no extraordinário quadro” da Fazenda entre até três nomes possíveis para uma substituição de Meirelles.