Eduardo estuda manter rodízio; veja quem pode ter chance no Palmeiras
Supermoveis



Eduardo estuda manter rodízio; veja quem pode ter chance no Palmeiras

Fonte: GloboEsporte.com
SHARE

O sucesso do time misto na vitória por 2 a 0 sobre o Mirassol, na última quarta-feira, deu a Eduardo Baptista segurança para repetir a estratégia também neste sábado. Diante do Audax, mais uma vez em casa, o técnico do Palmeiras deve escalar novamente alguns jogadores que pouco têm atuado.– Mas, como fiz hoje (quarta-feira), sem quebrar a espinha dorsal, sem 11 diferentes. Temos como mexer um pouco, para dar oportunidades, rodagem à equipe. Vamos tentar desenhar uma espinha para não perder a referência também – explicou, após duelo contra o Mirassol, na mesma entrevista em que antecipou uma ausência no sábado: Edu Dracena.

VEJA A CLASSIFICAÇÃO DO PAULISTA

– Os jogadores que jogam com ele são jovens, como é o Antônio Carlos, como é o Mina, que tem experiência internacional. Ele (Edu Dracena) dá confiança, mas agora é hora de dar uma descansada para, na quarta-feira, estar pronto para nos ajudar novamente.

Na quarta-feira que vem, o Palmeiras fecha a primeira fase do Campeonato Paulista contra a Ponte Preta, em Campinas. Até aqui, o Palmeiras é o time de melhor campanha. Mais um motivo para aproveitar o momento e rodar o elenco.

Sem Edu Dracena, quem deve voltar a jogar é Vitor Hugo. Antes de cumprir dois jogos de suspensão, o zagueiro vinha atuando como titular. Além dele, nomes como Rafael Marques (autor do primeiro gol sobre o Mirassol), Alecsandro, Vitinho (que entraram no segundo tempo) e Arouca (cortado do banco na quarta-feira) podem pintar na escalação.

Com cinco desfalques da última semana para cá – Jean lesionado e quatro convocados para seleções (Dudu, Mina, Borja e Guerra) –, uma possível formação é Fernando Prass; Fabiano, Antônio Carlos, Vitor Hugo e Egídio (Zé Roberto); Felipe Melo (Thiago Santos ou Arouca); Róger Guedes, Raphael Veiga (Tchê Tchê), Michel Bastos (Vitinho) e Rafael Marques; Alecsandro.

– O mesmo trabalho que faço para a equipe que vai iniciar é repetido com quem está jogando. Mesma atenção. Às vezes, você acaba dando até mais atenção, pela recuperação dos titulares, pelos jogos muito próximos. Estamos sempre conversando. Esse grupo que não está jogando, sabemos que quando entrarem, em 20, 30 minutos têm de resolver – disse o treinador.