DPMT checará número crescente de grávidas de até 14 anos em escola...
Adventista



DPMT checará número crescente de grávidas de até 14 anos em escola de Cuiabá

Fonte:
SHARE

A coordenadora de Ações Comunitárias (CAC) da Defensoria Pública de Mato Grosso, Corina Pissato, buscará parceria dos colegas que atuam na área da Infância e Adolescência para verificar a ocorrência de vários casos de gravidez entre adolescentes de 13 e 14 anos, que estudam na Escola Estadual Malik Didier, em Cuiabá. A intenção é criar uma rede de proteção para as meninas, verificar as circunstâncias das ocorrências e formas de preveni-las.

A DPMT tomou conhecimento do caso de uma grávida de 13 anos durante atendimento no evento da Secretaria de Estado de Segurança Pública, “Bairro Integrado”, que nesta sexta-feira (10/8), ocorreu durante todo o dia, na escola do Pedra 90.

“A mãe dessa adolescente nos procurou para tirar a segunda via da Certidão de Nascimento dela e verificamos a situação. Tentamos conversar para entender mais, porém acredito que a abordagem terá que ser estudada e organizada, pois já tomamos conhecimento que ela não é a única adolescente grávida, nessa faixa etária, estudando aqui”, explica a defensora.

A informação que de existem várias grávidas com idade de 14 anos, que estudam na Instituição, foi confirmada pela coordenadora da escola, Áurea de Souza, e pela mãe de uma aluna. “Aqui não existem só uma, mas várias. Não tenho um levantamento, mas podemos fazer, porque temos sim, no período da manhã, quando a evasão escolar é maior”, afirmou a coordenadora.

O Bairro Integrado é um projeto que se propõe a aproximar os profissionais da segurança pública – que não atuam diretamente na repressão de crimes – do cidadão, na tentativa de estabelecer laços e dar referências positivas de cidadania. Por meio de palestras, exposições e oferta de serviços da DPMT e os órgãos da Segurança.

“Acredito que esse tipo de evento é muito importante para a nossa comunidade. Porém, penso que deveria ter uma continuidade, não ser apenas de um dia. Aqui sempre tem brigas na porta da escola, sabemos que tem o assédio das drogas e mesmo, meninas, saídas da infância, grávidas. Minha filha estuda numa sala que tem uma adolescente de 13 anos grávida. Sabemos de outra de 14 na mesma situação. Isso é grave. Não quero que minha filha, de 12 anos, veja isso como normal”, avalia a mãe que não quis se identificar.

O Código Penal brasileiro define que relações sexuais com menores de 14 anos e é caracterizado como “estupro de vulnerável”, com pena de reclusão que varia de oito a 15 anos.

Este é o segundo Bairro Integrado do ano, o primeiro também foi no Pedra 90, na escola Mario de Castro, onde a população aderiu ao evento e os estudantes se entusiasmaram com a iniciativa. No segundo, a participação dos moradores foi tímida.