Dodge enquadra petistas e é acusada de “não ter provas”
Adventista



Dodge enquadra petistas e é acusada de “não ter provas”

Fonte: Da Redação NMT
SHARE
Foto - Nelson Almeida/AFP

Ao melhor estilo Pedro Ferreira – personagem da Escolinha do Professor Raimundo que só acreditava em comprovações absurdamente detalhadas para confirmar os fatos relatados em sala de aula – os membros do Partidos dos Trabalhadores têm tratado o Ministério Público e o Judiciário com a mesma habilidade do humorista. Após a Procuradora Geral da República, Raquel Dodge, denunciar ao Supremo Tribunal Federal – STF, no último dia de Abril, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-ministro Antônio Palocci, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e o ex-ministro Paulo Bernardo, marido da parlamentar, por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, a partir de delações premiadas de ex-executivos da empreiteira Odebrecht, a sigla reagiu e disse que Dodge “atua de maneira irresponsável, formalizando denúncias sem provas a partir de delações negociadas com criminosos em troca de benefícios penais e financeiros”. Segundo a denúncia, a Odebrecht prometeu a Lula doação de R$ 64 milhões, em troca de decisões políticas para beneficiar a empresa. Além das delações, foram colhidos nas investigações documentos, como planilhas e mensagens, fruto da quebra de sigilo telefônico. No acordo feito com o PT, a empresa foi beneficiada com aumento da linha de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), onde pode promover uma verdadeira farra em obras fora do Brasil como Angola, Venezuela e tantas outras.