Documentos sinalizam negócios entre ex-deputado e empreiteira da Copa em MT
Fullbanner1

Fullbanner2


Documentos sinalizam negócios entre ex-deputado e empreiteira da Copa em MT

Fonte:
SHARE
Foto: Internet

Documentos apreendidos na casa do advogado Júlio César Domingues Rodrigues dão conta de que houve reuniões com o ex-deputado estadual José Riva, enquanto presidente da Assembleia Legislativa, e o vereador cassado João Emanuel para tratar de obras da Copa do Mundo que ocorriam em Cuiabá e Várzea Grande. Conforme revelado pelo promotor Samuel Frungilo, as conversas giravam em torno de contratos e andamentos das obras. “Encontramos uma agenda na casa do advogado Júlio César em que ele tem reiteradas reuniões inclusive para tratar de obras da Copa do Mundo com José Geraldo Riva e o ex-vereador João Emanuel”, disse.

Outro ponto que intriga os promotores de Justiça são documentos apreendidos durante a fase policial indicando a proximidade de representantes da empreiteira Mendes Junior com o ex-deputado José Riva e o advogado Júlio César Domingues Rodrigues. Apontado como lobista, Dominguez segue preso no centro de custódia de Cuiabá, assim como José Riva em decorrência da “Operação Metástase – Célula Mãe”.

A construtora Mendes foi responsável pelas obras da Arena Pantanal que consumiram R$ 653 milhões dos cofres públicos. O dinheiro aplicado é resultado de um empréstimo do governo do Estado contraído com o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) que deverá ser pago em 30 anos a contar do ano de 2016.

Diante disso, o promotor de Justiça Marco Aurélio Castro, coordenador do Gaeco (Grupo de Apoio e Combate ao Crime Organizado) informou que não está descartada a abertura de novas investigações. “Só depois da operação policial que nos deparamos com vários documentos. Talvez, tenhamos outros elementos além desta reunião de representantes da Mendes Junior com o ex-deputado José Riva”, assinalou.

Na ação penal da Operação Ventríloquo, são réus o ex-deputado estadual José Geraldo Riva, o ex-secretário geral da Assembleia Legislativa, Luiz Márcio Pommot, e os advogados Anderson Godoi e Júlio César Domingues Rodrigues. Todos respondem pelos crimes de peculato, constituição de organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Conforme as investigações do Gaeco, o advogado Júlio César Domingues Rodrigues seria o lobista do esquema fraudulento que visava o desvio de R$ 9 milhões da Assembleia Legislativa. O advogado Joaquim Mielli Camargo firmou delação premiada e entregou detalhes do esquema fraudulento com provas documentais.

 

Fonte: FolhaMax

Montreal