Divergentes
Fullbanner1

Fullbanner2


Divergentes

Fonte:
SHARE

José Olavo Pio

Quem de nós nunca se encontrou em um grupo de pessoas onde as divergências de ideias e pensamentos são constantes? Pois bem, sabermos lidar com as pessoas exigem muito mais do que imaginamos, principalmente quando vivemos em um meio onde existem contradições com opiniões fortes e até mesmo parâmetros formados a muito tempo.

A vivencia em meio a estes tipos de pessoas em muitas das vezes até nos fazem afastar devido a incompatibilidade de pensamentos, ainda mais quando exaltamos e fixamos ideias onde um ou outro não abrem mão de seus ideais.

Por isto a melhor forma de se colocar diante uma dessas situações é tentarmos colocarmos nossos pontos de maneira prática e eficaz, mostrando como estas opiniões irão afetar o coletivo.

Mais o fundamental é colocarmos o amor e a misericórdia acima de toda e qualquer mudança de pensamentos, necessita se esvaziarmos nestes momentos e deixarmos as vaidades de lado para não afetar a comunidade ou o coletivo de vivencia em si.

Com o amor temos a capacidade de falar em todas e quaisquer línguas diferentes que encontramos, se estamos em outros países, outros pontos do mundo e paramos para pedir informações e ajuda a pessoas daquela localidade mesmo com a língua diferente mais a maioria nos ajuda e orienta.

Que seja com um abraço, um aperto de mão, ou olhar, isso faz com que toda e qualquer divergência de pensamentos ou colocações sejam quebradas por estes traços de amor.

Já em uma empresa, quando estamos submetidos a cargos e funções, independentemente dos nossos pensamentos ou colocações, temos que cumprir com nossos deveres para produzir, e as ideias ficam muitas das vezes, a cargo da diretoria ou presidência, nesses momentos nos cabe, tentarmos de maneira simples entender o porquê daquelas decisões e confiar na condução daquela empresa.

Se trabalhamos em um local onde não gostamos, temos duas opções, ou deixamos a raiva nos consumir e transmitimos aquele sentimento em pessoas ou produtos nas quais não tem culpa de nossa inconformidade ou pensamos de maneira inteligente, pois já que me encontro ali, vou dar o meu melhor acima de toda e qualquer divergência, e porque não, deixar que meus sentimentos mudem em relação ao meu trabalho ou convívio e passo a fazer daquilo a qual não gostava em uma oportunidade de realiza-lo de maneira melhor com mais amor.

Realmente lidarmos com pessoas complexas e trabalhos as quais não nos adaptamos, podem gerar um sentimento de tristeza e até raiva, mais porque não tentar fazer diferente e de fato por nas mãos de Deus e crer que tudo aquilo que eu faço é para Ele e por Ele, da mesma forma que pedindo isto a Deus, nos dará a capacidade de lidar com toda e qualquer dificuldade.

De fato, Deus nunca prometeu que nossas vidas seriam apenas a convivência conforme nossas vontades, mais sim para fortificação. Vamos deixar que Deus opere essa experiência em nossos corações de promover a paz e amor dentro de cada um de nós.

Se ainda sim, você e o próximo não chegarem a um acordo, silencie seu coração e sinta se com o dever cumprido de ter tentado ao máximo, fazer de tudo para dar o seu melhor. Não se culpe, pois, se Deus mostrar a você estar certo, Ele irá tocar no coração do próximo.

José Olavo Pio: É Eng. Civil e prof. Universitário.

Montreal