Devoção e musicalidade marcam passagem da bandeira no Ganha Tempo
Supermoveis



Devoção e musicalidade marcam passagem da bandeira no Ganha Tempo

Fonte: NOTÍCIAS DE MATO GROSSO com Assessoria
SHARE

A coroa e a bandeira do Divino Espírito Santo do Coxipó do Ouro chegaram ao Ganha Tempo da Ipiranga, em Cuiabá, acompanhados pela banda e devotos. A passagem ocorreu nesta terça-feira (21.03) e foi acompanhada pelo secretário adjunto de Cidadania e Assuntos Comunitários da Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social (Setas-MT), Samir Katumata.

A programação desta terça-feira faz parte de um projeto de valorização da região do Coxipó do Ouro e as comemorações dos 300 anos da Capital mato-grossense. Também ocorrem, no Ganha Tempo Ipiranga, por meio de parceria com o  Instituto Memória da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), duas exposições que relatam um pouco da cultura do Distrito do Coxipó do Ouro e de Cuiabá.

 “A programação é um importante resgate para essa comunidade que, apesar de estar tão próxima da Capital, preserva a sua história, cultura, devoção e estilo de vida”, afirma Samir Katumata.

A procissão dos devotos é também uma preparação para a festa do Divino na comunidade, celebrada nos dias 20 e 21 de maio. Os amigos conhecidos como Seo Renato e Seo Joaquim se consideram o pé e a mão da festa, na qual são voluntários há mais de 50 anos.

Joaquim Paz Martins da Cruz, o Seo Jaoquim, de 78 anos, atualmente toca percussão durante a passagem da bandeira, mas já fez de tudo um pouco na festa do Divino do Coxipó do Ouro. Ele coordena a atividade à frente da esmola dos devotos, com propriedade de um barzinho na entrada do Distrito e as funções de raizeiro e benzedor.

Há 55 anos exercendo a função de sanfoneiro da bandeira do Divino, Benedito Renato Soares do Nascimento, o Seo Renato, falou com orgulho sobre a comunidade. “No Coxipó foi celebrada a primeira missa de Cuiabá, ainda pelos bandeirantes, que vieram à procura do ouro”. 

Seo Reanto que, aos 73 anos, ainda atua como pedreiro e lavrador, cantou e abençoou o trabalho no Ganha Tempo. A superintendente do Programa Ganha Tempo, Rosany Figueiredo, destacou que “independente da religião, a apresentação da bandeira traz uma mensagem de paz”.

Aguardando a vez no atendimento da lotérica dentro do Ganha Tempo, Cecília Cunha manteve os olhos e ouvidos atentos à apresentação sacra. Aos 42 anos de idade, esta foi a primeira vez que presenciou uma passagem de bandeira.

“Sou do interior de Minas Gerais, e tive uma vida com pouco lazer, ao ver a movimentação me lembrei de histórias que meus pais contavam sobre as festas de santo, quando ainda era menina”, relata Cecília Cunha.

Arte

A fé também foi representada pelos produtos de artesanato expostos no Ganha Tempo, como nas peças da artesã Laura Morbeque, por exemplo. Há pouco mais de cinco anos, o pai de Laura comprou uma chácara no Distrito e ela se encantou com o lugar, deixou o emprego de professora em Cuiabá e agora cria as artes sacras.

Além do trabalho artístico, ela aproveita para empreender com a flora silvestre. Laura e a família vendem limões e cajus de diversos tipos, colhidos em abundância nessa época. 

Já Célia Lima nasceu em Cuiabá e mora no Coxipó do Ouro, onde coordena um grupo de artesãos da região intitulado Sabiá Artesanatos. As bonecas de E.V.A. e itens reciclados são a principal fonte de renda há mais de 15 anos.