Deputada sugere demissão voluntária de secretária, que “ri”
Fullbanner1

Fullbanner2


Deputada sugere demissão voluntária de secretária, que “ri”

Fonte:
SHARE
Foto: Divulgação

A deputada estadual Janaina Riva (PSD) sugeriu que a secretária extraordinária de Transparência e Combate a Corrupção, Adriana Vandoni (PSDB), inicie por ela o processo de demissão voluntária proposto aos servidores pelo governador Pedro Taques (PSDB).

Ela também sugeriu o enxugamento do Gabinete de Desenvolvimento Regional, ocupado por Eduardo Moura.

Segundo a parlamentar, em um ano da existência, nada de relevante foi apresentado à sociedade pelo gabinete de Vandoni, que consumiu mais de R$ 3 milhões. Em reposta, a secretária de Taques disse que “morre de rir” com a sugestão de Janaína (leia abaixo).

“Eu acho que ela deveria iniciar a demissão voluntária. Seria uma demonstração de grandiosidade da parte dela. Qual a necessidade de se manter uma pessoa, com um status de secretária, sem que ela apresente ou dê algum tipo de resultado para o nosso Estado?”, questionou.

“Eu acho que o Estado, na situação que está, não comporta mais gabinete com status de secretaria. Não só com relação à Adriana, mas também é o caso do Eduardo Moura, que é meu amigo, inclusive. São pessoas que apoiaram o governador na campanha, e que ele colocou nesses gabinetes com status de secretário para não deixar sem respaldo”, disse a deputada.

Segundo Janaina, já há outros órgãos no Estado que cumprem a função de transparência e combate à corrupção. Entre eles está Controladoria Geral do Estado (CGE) e o Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos (Cira).

“A Controladoria, por exemplo, é contra esse gabinete. O Cira, por exemplo, tem investimento da Segurança Pública para poder se fazer o controle. Quer dizer, qual a necessidade de se manter um gabinete, a não ser acomodar politicamente Adriana Vandoni, que disputou eleição e perdeu. É justo para um Estado que está passando por tantas dificuldades? Na minha opinião não é”, afirmou.

Para a deputada, o governador não vem agindo da melhor maneira possível para que o Estado possa cumprir os limites estabelecidos na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Conforme divulgado em outubro passado, o Executivo ultrapassou em quase R$ 240 milhões o limite de gastos com a folha de servidores públicos.

“Não tem como apresentar nada na Assembleia. Isso deveria partir do governador. O que eu quero fazer é dar essa sugestão ao Governo, que ele comece enxugando e comece demonstrando a vontade do enxugamento da máquina, no cumprimento da LRF”, disse.

“É fácil fazer uma demissão voluntária para servidor do Estado, é fácil cortar benefício dos servidores. Quero o ver cortar as pessoas vinculadas a ele politicamente. Quero ver se ele vai cortar os apadrinhados políticos dele”, completou.

No início de 2015, a parlamentar já havia dito que apresentaria um projeto visando acabar com “mordomias” de servidores comissionados e efetivos do Estado.

Mesmo não confirmando, a lei da deputada era direcionada à Adriana Vandoni, que havia sido alvo de críticas nas redes sociais, após admitir usar o carro oficial do Estado para se deslocar ao Palácio Paiaguás.

“Qual a necessidade da pessoa que tem seu carro, que tem condições de abastecer seu carro, de ir até o seu trabalho, ficar usando transporte pago com dinheiro da população mato-grossense? Isso não é o que quer o eleitor que votou no Pedro Taques”, disse à época.

Outro Lado

A secretária Adriana Vandoni afirmou que os assuntos tratados pelo Gabinete de Combate a Corrupção parecem não agradar a deputada Janaina Riva.

“Acho que todo processo de mudança e de transformação assustam as pessoas, ainda mais como a transparência, o combate à corrupção e a recuperação de bens que foram roubados do poder público. São temas que me parecem ser áridos para ela”, disse.

Sobre a “sugestão” feita pela deputada, para que a secretária inicie o processo de demissão voluntária no Estado, Vandoni rebateu: “Morro de rir. Acho que só se posiciona contra o trabalho do gabinete quem realmente não tem interesse em criar um ambiente mais saudável no Estado, sem corrupção, sem opacidade”, afirmou.

“Isso é tudo que a gente tinha no Governo anterior, inclusive na Assembleia Legislativa sempre tivemos esse ambiente”, completou.

Ela afirmou também que o Gabinete atua no sentido de dar maior transparência aos atos da administração pública e combate à corrupção, além de ser um canal por onde são recebidas denúncias de eventuais irregularidades na administração.

“Acho que a deputada esta precisando de uma assessoria melhor para ela entender o que é o gabinete. Acho que ela precisa se informar. No mais, o que posso dizer é que lamento o grito dos opositores. O trabalho do gabinete vai continuar. Vamos continuar transformando a imagem de Mato Grosso”, disse.

Fonte: MidiaNews

Montreal