Depois da “carne com papelão”, Blairo dissipa lorota de ovo de plástico
Fullbanner1



Depois da “carne com papelão”, Blairo dissipa lorota de ovo de plástico

Fonte: Da Redação NMT
SHARE
Foto - Geraldo Magela/Agência Senado/VEJA)

A eficácia de ter alguém num cargo público que reúna liderança política e liderança técnica num mesmo nível de destaque é algo que vem sendo bem experimentado pelo Brasil com a gestão que faz Blairo Maggi (PP) à frente do Ministério da Agricultura e Pecuária – MAPA. Depois de resgatar a imagem da carne bovina, um dos principais produtos nacionais de exportação, após a Operação “Carne Fraca”, deflagrada pela Polícia Federal – PF, em março de 2017, fazer ganhar os noticiários locais e do mundo sobre a possível inclusão de papelão na composição do alimento produzido no Brasil, o ministro agora teve de usar toda sua credibilidade como homem do agronegócio para estabelecer o óbvio: não existe ovo de plástico sendo comercializado no Brasil.

Enquanto no ano passado, Maggi teve de por o pé na porta de países como Chile, Egito e China que estavam se preparando para romper a compra da carne brasileira pela informação distorcida que saiu da PF, sendo que na verdade o tal plástico estava relacionado apenas a embalagem da carne nacional, o ministro agora teve de vir a público para contrapor o vídeo de uma senhora que viralizou nas redes sociais tratando sobre a existência de ovos de plástico, importados da China, que estariam sendo vendidos nos supermercados brasileiros. Com a mesma calma e firmeza de outrora, Blairo explicou que não existe importações de ovos chineses e que o aspecto mais grosso da membrana que envolve a gema e a clara, visualizado no vídeo, se dá por um processo natural de envelhecimento do produto.

“Está rodando um vídeo na internet sobre ovos falsos. Falso é o vídeo. Falei com técnicos do Ministério da Agriculta e me garantiram não existir isto. Quando o ovo passa de quatro a cinco semanas, fica vencido, perde a viscosidade e a membrana interna fica mais grossa, com aspecto plástico (…) Não compre ovos com data de validade vencida”, aproveitou o ministro para alertar. Cada brasileiro consome, em média, 192 ovos por ano, segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal – ABPA. A produção nacional ultrapassa as 39 bilhões de unidades por ano. Com a velocidade que esse tipo de conversa fiada ganha a internet, já que até gente “esclarecida” jogou, por exemplo, a história do ovo de plástico para frente, o esclarecimento imediato da parte de uma autoridade é o que pode impedir um prejuízo nacional milionário. Blairo tem tido sensibilidade e feito muito bem esse papel…