Defesa de Silval chama Maggi, Fagundes, Garcia e até governador de Goiás...
Fullbanner1

Fullbanner2


Defesa de Silval chama Maggi, Fagundes, Garcia e até governador de Goiás como testemunhas

A partir do próximo dia 18, Justiça vai começar ouvir as testemunhas

Fonte:
SHARE
Montagem NMT

A juíza da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Selma Rosane dos Santos Arruda, definiu que a partir do dia 18 deste mês vai começar a ouvir as testemunhas arroladas pelas defesas do ex-governador Silval Barbosa (PMDB) e dos ex-secretários de Estado de Indústria e Comércio, Pedro Nadaf, e de Fazenda, Marcel de Cursi, além do ex-procurador do Estado, Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, o “Chico Lima”. O governador e os ex-secretários estão presos no Centro de Custódia de Cuiabá (CCC).

Ao todo são mais de 50 pessoas arroladas pelos advogados, algumas inclusive com foro privilegiado, como o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB – via carta precatória); os senadores Blairo Maggi (PR) e Wellington Fagundes (PR); deputado federal Fábio Garcia (PSB); os deputados estaduais Emanuel Pinheiro (PR) e Romoaldo Júnior (PMDB), além, do atual secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Seneri Paludo, arrolado pelo ex-chefe de gabinete de Silval Barbosa, Silvio Corrêa, que está em liberdade, porém, monitorado por tornozeleira eletrônica.

Os senadores Blairo Maggi e Wellington Fagundes, ambos do PR, não foram encontrados para falar a respeito dos seus depoimentos e não retornaram as ligações feitas para seus telefones celular. A data das oitivas das testemunhas com foro privilegiado ainda não está definida, porém, deverão acontecer no dia 20 ou no dia 29 deste mês. Os depoimentos acontecem na instrução do processo.

“Momento em que se oportunizará ao Parquet (membro do Ministério Público) a apresentação de provas que possam demonstrar a procedência do pedido, e, por meio do contraditório e da ampla defesa o réu poderá, igualmente, comprovar suas alegações”, diz trecho da decisão da magistrada. Selma também determinou que o ex-chefe de gabinete de Silval Barbosa, Silvio Correa, discrimine quais membros do Conselho Estadual de Desenvolvimento Empresarial (Cedem) devem ser ouvidos, uma vez que sua solicitação foi para que “…todos os membros do Cedem, tanto os que já saíram, quanto os atuais integrantes…” devem ser interrogados.

Após o depoimento do ex-governador Silval Barbosa, o advogado Francisco Faiad deverá, segundo ele próprio, entrar com um pedido de soltura do réu sob alegação de que, com todos os envolvidos e arrolados ouvidos, não haverá mais como alegar que ele (Silval) pode manter alguma influência contra testemunhas.

O ex-governador é réu em processo decorrente da operação Sodoma da Polícia Federal, no qual responde pelos crimes de formação de organização criminosa, concussão e lavagem de dinheiro. Segundo o Ministério Público (MP), o ex-governador utilizou o cargo no estado para chefiar um esquema de fraudes na concessão de benefícios fiscais.

Fonte: Só Notícias

Montreal