De saída do PPS, Medeiros fica entre PMDB e PSDB
Supermoveis

Fullbanner2


De saída do PPS, Medeiros fica entre PMDB e PSDB

Senador confirma convites de lideranças nacionais, mas ressalta que precisa discutir com seu grupo político

Fonte:
SHARE
Figura de Taques no ninho tucano, seria um dos principais pontos levados em conta pelo senador

Após o recuo do senador Blairo Maggi (PR) em se filiar ao PMDB, a legenda agora aposta as suas fichas para trazer o senador José Medeiros (PPS). O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB/AL), oficializou o convite ao mato-grossense na tarde de ontem (24) em Brasília. “O Renan Calheiros me convidou, sim, conversamos e ficamos de marcar outra conversa para tratar sobre este assunto. Vou avaliar com a minha base política essa possibilidade”, disse Medeiros.

Ele também revelou que o PSDB também o procurou para uma possível filiação. “O Aécio também me convidou, mas não foi nada oficial. Apenas disse: venha para o PSDB. O governador Pedro Taques também fez o mesmo convite, mas devemos sentar futuramente para ouvir a proposta”, pontua.

Medeiros disse que apesar do convite, não pretende tomar nenhuma decisão rápida, mas pretende avaliar qual será o melhor espaço para ele nas próximas eleições. “Eu não tenho pressa nisso, mas preciso avaliar onde poderei atuar com mais liberdade. Se terei espaço para disputar as próximas eleições. Isso é algo muito importante que levarei em consideração”, disse.

O receio do senador em mudar de partido se deve à eleição de 2018, quando estarão em disputa a presidência da República, duas vagas de senador, governador e deputados federal e estadual. A intenção de Medeiros é buscar a reeleição no próximo pleito. O PSDB, entretanto, tem um compromisso de lançar o deputado federal Nilson Leitão como candidato ao Senado, o que dificultaria os planos de Medeiros de buscar a reeleição.

Já no PMDB, o espaço seria maior, já que a legenda não tem nenhum nome para disputar uma vaga no Senado. O problema é que o senador é aliado do governo Taques, o que complica, já que o PMDB em Mato Grosso é oposição ao governo.

Desta forma, Medeiros não descarta a possibilidade de garantir uma vaga na disputa rumo à Câmara Federal. Outra hipótese é a disputa pela prefeitura de Rondonópolis em outubro deste ano. No entanto, o senador garante que só encara este pleito se tiver o apoio do atual prefeito Percival Muniz (PPS) e do deputado federal Adilton Sachetti (PSB). “O meu nome também anda sendo ventilado para disputar a prefeitura de Rondonópolis na eleição deste ano, mas ainda não sentamos para conversar sobre isso, até porque o PPS tem o atual prefeito e outros nomes como o da Ana Karla Muniz”, frisa.

Antes de tomar uma decisão, o progressista afirma que irá se reunir com a sua base política. “Antes de qualquer coisa, eu preciso avaliar as possibilidades com o meu grupo político. É claro que vamos analisar o espaço que teremos visando às eleições de 2016 e 2018, para definirmos se vamos mudar de sigla ou permanecer no PPS”, afirma.

Fonte: Diário de Cuiabá

Montreal