CPI da Friboi tem apoio de 21 deputados e é a quinta...
Supermoveis

Fullbanner2


CPI da Friboi tem apoio de 21 deputados e é a quinta na Assembleia de MT

Entre as investigações, estará diversos investimentos da empresa em Mato Grosso com dinheiro pego junto ao BNDES, dentre outras manobras a serem esclarecidas

Fonte:
SHARE
Quem apresentou requerimento e está a frente do encaminhamento, é o deputado Nininho

O deputado estadual Ondonir Bortolini, o Nininho, apresentou nesta quarta-feira (17) requerimento a Mesa Diretora com 21 assinaturas para instaurar uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar o grupo empresarial JBS Friboi e também outros frigoríficos que atuam em Mato Grosso. Os únicos parlamentares que não assinaram o requerimento foram Dilmar Dal Bosco (DEM) e Guilherme Maluf (PSDB) que acompanham o governador Pedro Taques (PSDB) em uma viagem aos Emirados Árabes e o deputado estadual Romoaldo Junior (PMDB), afastado por 60 dias para tratamento de saúde.

Uma das linhas de investigação será o investimento que a JBS Friboi tem feito em Mato Grosso com o dinheiro contraído junto ao BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e os motivos da decisão administrativa da empresa em ter comprado 22 plantas frigoríficas no Estado e, posteriormente, ter fechado 12 unidades provocando a demissão superior de 5 mil trabalhadores. “Esse é um clamor dos pecuaristas e entendemos a necessidade de apurar distorções na cadeia produtiva. Precisamos encontrar um equilíbrio nesta cadeia produtiva para evitar distorções com a criação de um monopólio que só prejudica o pequeno produtor”, disse.

Conforme o parlamentar, a CPI da Friboi tem a proposta de convocar o Ministério Público Estadual (MPE) e Ministério Público do Trabalho (MPT) a participar das investigações e avaliar a possibilidade de firmar um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) para corrigir eventuais irregularidades. “Faremos uma investigação com cautela, coerência e transparência. Queremos analisar uma a uma das plantas de frigoríficos fechados. Se tem dinheiro do BNDES, precisa saber o que está sendo feito socialmente aos moradores dos municípios”.

A proposta de CPI da JBS Friboi foi feita pelo próprio deputado Nininho no dia 6 deste mês, quando ocorreu o depoimento do diretor executivo da empresa, Valdir Boni, dado a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Renúncia e Sonegação Fiscal. Os esclarecimentos dados pelo diretor executivo foram considerados insatisfatórios pelos parlamentares.

Naquela ocasião, Nininho classificou o grupo como “canalha” e defendeu o aprofundamento das investigações. “O que aconteceu em Mato Grosso é inadmissível. Havia tantas plantas frigoríficas nesse Estado, de famílias tradicionais que exploravam o mercado. Mas hoje, o produtor é obrigado a vender para um grupo corrupto desse, um grupo canalha, que pega o dinheiro público para vir aqui fazer o que estão fazendo com nosso país, com nosso Estado”, disse.

Em dezembro passado, o grupo fez um acordo e devolveu ao Governo do Estado R$ 373 milhões, após composição com o Cira (Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos) que teve participação do MPE. A Friboi é suspeita de ter participado de um esquema de concessão de incentivos fiscais irregulares na gestão passada.

A CPI da Friboi é a quinta instalada nesta legislatura do Legislativa. Estão funcionando as comissões da Renúncia e Sonegação; OSS e Obras da Copa.

A próxima a ser instalada é para investigar as cartas de crédito para o Ministério Público Estadual e agora da Friboi. Estas duas só poderão iniciar os trabalhos após a conclusão das outras.

Fonte: FolhaMax

Montreal