Coronel da PM acusado de grampos é solto e passa a ser...
Supermoveis



Coronel da PM acusado de grampos é solto e passa a ser monitorado por tornozeleira em MT

Fonte: G1
SHARE
Ex-comandante da Polícia Militar de Mato Grosso, coronel Zaqueu Barbosa, passou a ser monitorado por tornozeleira eletrônica (Foto: Gcom-MT)

ex-comandante da Polícia Militar, coronel Zaqueu Barbosa, que estava preso desde maio do ano passado, acusado de ser um dos líderes do esquema que grampeou centenas de pessoasfoi solto nessa sexta-feira (9) após decisão da Justiça Militar, em Cuiabá.

Na mesma audiência, foi negada a liberdade ao cabo Gerson Corrêa Júnior, que foi preso no mesmo dia que Zaqueu. Com isso, Gerson é o único acusado de participação no esquema que continua preso.

Uma tornozeleira eletrônica já foi colocada em Zaqueu, que passará a cumprir prisão domiciliar e será monitorado pelo equipamento. Ainda na audiência, a Justiça Militar manteve as medidas cautelares impostasaos coronéis Evandro Lesco e Ronelson Barros.

Eles estão em prisão domiciliar e usam tornozeleira eletrônica desde agosto do ano passado.

Esquema dos grampos

Os PMs são acusados de fazerem parte de um esquema de espionagem, entre outubro de 2014 e agosto de 2015.

Centenas de pessoas que não eram suspeitas de terem cometido crimes foram espionadas, entre elas jornalistas, uma deputada de oposição, médicos, servidores públicos, empresários, advogados e um desembargador do Tribunal de Justiça de Mato Grosso.

Os grampos foram operados pos policiais militares por meio de um fictício Núcleo de Inteligência, numa suposta investigação sobre a participação de policiais em tráfico de drogas. Porém, a polícia pediu à Justiça a autorização para quebrar o sigilo telefônico de pessoas que não tinham nada a ver com essa apuração.

Investigações no STJ

Apenas o inquérito contra os militares tramitam na Justiça estadual. Desde outubro do ano passado, o esquema está sendo investigado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

A decisão de tirar o processo das mãos do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) atendeu aos pedidos feitos pelo governador Pedro Taques (PSDB) e pelo Ministério Público Federal (MPF).

Com isso, todas as diligências e depoimentos que até então ocorriam sob a relatoria do desembargador Orlando Perri, no TJMT, passaram a tramitar sob a supervisão do ministro Mauro Marques, do STJ.