Comissão Especial na Câmara vai analisar PEC que prevê eleição direta para...
Fullbanner1


Macropel

Comissão Especial na Câmara vai analisar PEC que prevê eleição direta para órgãos diretivos de tribunais

Fonte:
SHARE

Redação/Agência Câmara

Foi instaurada, nesta quarta-feira (01.07), uma Comissão Especial na Câmara que vai analisar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 187/12, conhecida por “PEC das Diretas”, que permite a todos os magistrados vitalícios em atividade, de primeiro e segundo graus, a votar em eleições para os órgãos diretivos dos tribunais estaduais.

A proposta, de autoria do senador Wellington Fagundes (PR-MT) quando ainda era deputado federal, tramita no Congresso desde 2012. O texto prevê que os integrantes dos órgãos diretivos serão eleitos por maioria absoluta e por voto direto e secreto.

A matéria agora será analisada pela comissão que deverá preparar um relatório a ser examinado na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara. Após isso, a PEC vai para a votação em dois turnos na Câmara dos Deputados e no Senado.

“Isso vai destravar a PEC e permitir o seu avanço rápido. Talvez na próxima eleição do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), em 2016, já será possível que todos os juízes estaduais votem”, afirma o presidente da Associação Mato-grossense de Magistrados (Amam), José Arimatéa Neves Costa, que acompanhou, em Brasília, a instalação da Comissão Especial.

Atualmente, somente os desembargadores podem votar e se candidatar às eleições dos tribunais estaduais. Em Mato Grosso, os desembargadores correspondem a 11% do total de magistrados do judiciário estadual.

Vale pontuar que, de acordo com a PEC, as regras não valerão para os cargos de corregedoria nem para as eleições de órgãos diretivos do Supremo Tribunal Federal (STF), dos tribunais superiores e dos tribunais regionais eleitorais, que continuarão seguindo os respectivos regimentos internos.

Montreal