Com aval de Emanuel, Legislativo é investigado por supostamente ter ido à...
Fullbanner1



Com aval de Emanuel, Legislativo é investigado por supostamente ter ido à forra

Projeto de Lei sancionado pelo prefeito, em janeiro, criou quase 500 novas vagas para servidores e deu verba indenizatória aos chefes de gabinete

Fonte: Da Redação
SHARE
Prefeito de Cuiabá tem ótimo relacionamento com legislativo, principalmente com o presidente da Casa. O MPE também os investiga por nepotismo cruzado, pelo fato do prefeito ter nomeado o irmão de Malheiros, enquanto o vereador abriu vaga à cunhada do chefe do Executivo. Foto: Ednei Rosa/Câmara Municipal de Cuiabá)

Óbvio que esperou-se passar as eleições de 2016, alguns foram reeleitos e o presente de Natal que os vereadores de Cuiabá deram para o povo de sua cidade foi absurdo, para dizer pouco em um tempo de milhões de desempregados no Brasil. A Lei n° 6.159, aprovada no apagar das luzes da última legislatura, simplesmente criou 481 novos cargos na Câmara Municipal da capital, além de destinar R$ 4,2 mil de verba indenizatória para uso de cada um dos 25 CHEFES DE GABINETE.

Em janeiro deste ano, no primeiro mês que teve a honra de ocupar o cargo mais alto da política cuiabana, Emanuel Pinheiro (PMDB) decidiu gastar os primeiros cartuchos de tinta da caneta mais poderosa da cidade apoiando o “trem da alegria”. O prefeito sancionou, isto mesmo, disse um “sim” integral ao projeto que agora virou alvo do Ministério Público Estadual – MPE por possível ato de improbidade.

Os quase 500 novos servidores foram divididos ente todos os gabinetes, ficando pouco menos de 20 à disposição de cada parlamentar. A carga horária de trabalho de todo esse pessoal é de 30 horas semanais e as funções vão desde chefia, assessoramento e até direção administrativa. Em entrevista ao site “Olhar Direto”, o vereador Justino Malheiros (PV), eleito novo presidente da Câmara, revelou, há algumas semanas, que sua prioridade de gestão seria focada na “recuperação da imagem do Poder Legislativo, desgastada por sucessivos escândalos, nos últimos anos”.

O parlamento municipal chegou a ganhar, nas últimas legislaturas, o apelido carinhoso de “casa dos horrores”, devido as tantas maracutaias descobertas.  Assim sendo, ao bem intencionado Malheiros, sobra da parte do povo a frase em forma de pedido: “já pode começar…”