LATEST ARTICLES

Tenho que consultar um especialista em Marketing para descobrir qual o custo benefício das viagens de Alckmin pelo Nordeste. Com toda reverência isso tem a mesma utilidade da buzina de avião. Próximo das eleições eu visitaria: Campinas, Nova Iguaçu, Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Manaus, Curitiba, São Paulo, Guarulhos, Goiânia Belém, São José dos Campos etc por dois motivos:

Primeiro que nelas existem cerca de 40 milhões de habitantes e segundo por não serem bretes do PT, mas para minha alegria, já que voto em Bolsonaro, Geraldo Alckmin foi para uma região que não o prestigiará eleitoralmente. Doutra banda, Ciro, – que não é o Rei dos Persas – visitando Roraima, chamou um repórter, de capacho do Romero Jucá e exigiu que o prendessem por não concordar com uma pergunta sobre imigrantes venezuelanos.

Em Goiás um rapaz foi ao comício do Ciro, com a camisa do Bozo.  Foi o bastante para o cearense aloprado dizer que a culpa era do filho da puta do esfaqueado que prega ódio e está pagando por isso.

Marina ligeiramente parecida com um Extra Terrestre, anda com a cabeça na lua falando em alimentos orgânicos, energia eólica e agricultura familiar, como se o Brasil fosse o ecossistema dos ociosos e o paraíso dos veganos. Também pudera, olha quem é seu Vice!

Haddad com origem libanesa, introjetou as dicas da guerrilheira Dilma e do presidiário Lula quais sejam: a repetição da mentira a exaustão a transmuta em verdade. Prova disso foi a interlocução com Álvaro Dias.

___ Haddad: qual sua proposta para as famílias?

___ Álvaro: Você vem para esta campanha como o porta voz da tragédia; o representante do caos, a filosofia do fracasso, a crença na ignorância, o arauto da intolerância. Vocês são especialistas em distribuir a pobreza para todos e a riqueza para alguns, para seus líderes. Seu discurso é o discurso da mentira. As famílias estão desempregadas e os jovens sem oportunidade…, e por aí vai.

Ponto para o paranaense. Não da para desmascarar o PT com meiguice; sua turma é desaforada, mentirosa e caluniadora.

Deus escreve certo por linhas tortas. Bolsonaro foi lesionado, mas, seus simpatizantes foram energizados. O feitiço atingiu o feiticeiro. Quem viver verá. O Capitão vai ganhar folgadamente no primeiro turno. Tchau queridos.

Dr. Francisco Mello dos Santos. Advogado Criminalista. OAB-MT 9550. Especialista em Direito Penal e Processual Penal. drfranciscomello@terra.com.br (669)96892292.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                       

Hoje é o dia mais comemorado no Rio Grande do Sul. Em 1835 iniciou-se a Guerra dos Farrapos sobre a liderança de Bento Gonçalves, Canabarro e Giuseppe Garibaldi a qual se encerrou em 1845 com a celebração de um armistício entre o governo Imperial e os farroupilhas. Por dez anos os gaúchos ficaram independentes do governo Central.

Neste dia a História da República Riograndense é revivida, os revolucionários são homenageados e a Cultura gaúcha é fortalecida desde as grandes cidades como Porto Alegre, Pelotas, Caxias, Santa Maria, até pequenas cidades no Noroeste: Missões e Campanha.

As tradições campesinas também são lembradas com zelo e reverência. Se eu fosse um guia turístico no dia de hoje diria: Estância é uma fazenda, na qual se cria ovelhas e gadarias no Rio Grande do Sul; não confundir com Cabanha, local específico no qual se cria animais especiais.

Na Estância tem a Casa do patrão, o galpão com fogo de chão, capataz, criadagem, peões, carreteiro, lavoureiro, celeiro, alambrador, guasqueiro (trançador de couro), tropeiro, e posteiro (mantenedor dos postes do aramado);

O palanque, (tronco no meio do potreiro, piquete e/ou curral), serve para doma de potros, e cura do gado; apeiros, (arreios), esquilador (tirador de lã), domador, potreiro, paiol, taipa, (açude e cerca de pedras), alambrado (cerca), piquete, tronqueira, (mourão de porteira), e tafona, (casa de farinha).

Tem rancho (compra do mês), e rancho (casa de agregado coberta de capim Santa Fé), catre, (cama de tábua), charque, arroz carreteiro, canha (pinga), cambona (chaleira preta de ferro), chimarrão e acordeona. Um Centro de Tradição Gaúcha retrata bem este contexto.

Próximo ao lageado (riacho), arroio (rio pequeno), ou sanga (pindaíba), tem graxaim, (lobinho), lixiguana (abelha), sorro (cachorro do mato), cotovia, quero-quero, calandra, carancho (gavião real) e curruíra.

A estância é uma invenção do Missioneiro Jesuíta Mendonza. Quando havia fome no século XVII, trouxe milhares de cabeças de gado da Argentina e partilhou com várias estâncias do RS.

O padre ensinou aos índios a fazer churrasco, a lida nas mangueiras, currais, e bretes; o manejo do gado com uso do cavalo; otimizou o consumo do chimarrão e a indiada deu origem ao gaúcho.

Por ser conservador o estancieiro tradicionalista não permite a frequência nos galpões, das mulheres: prendas, chinas, gurias e chinocas, visto ser um ambiente típico dos homens rústicos ou baguais.

Os imigrantes Italianos e Alemães com seus vinhos, cucas, salames e queijos enriqueceram as adegas, shoppings, pulperias e bolichos dos pagos do Sul.

Dedico este artigo aos queridíssimos gaúchos, da cepa ou de alma, e a todos os simpatizantes da linda cultura do Rio Grande do Sul. Oigaletche.

Francisco Mello dos Santos. Advogado Criminalista. OAB-MT 9550. Especialista em Direito Penal e Processual Penal. drfranciscomello@terra.com.br (669)96892292.

 

 

 

 

Para quem diz que a justiça prende somente petistas, teve que morder a língua com as prisões entre outros, de Beto Richa e sua esposa dias atrás. Presos temporariamente por um juiz de primeira instância iniciou-se o galope à procura da decretação da liberdade provisória nos Tribunais. Negada pelo Tribunal de Justiça do Paraná, a defesa foi ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) sem sucesso; porém, ao aterrizar no Supremo, Gilmar Mendes – quase sempre ele – concedeu alvará de soltura ao casal, “aleluia”.
 
Ainda falando em justiça, tem gente feliz com a ascensão de Toffoli à Presidência do Supremo Tribunal Federal. Informo que não devem ter um excesso de euforia, porque o comportamento dos brasileiros está mudando e as cobranças pela moralidade, e, punições aos bandidos serão intensas.
 
Toffoli não é Ministro relator dos feitos referentes ao Lula que aportam ao STF. Fachin, sim, e, seria voto vencido na segunda Turma, por isso preferiu enviar ao Plenário do Supremo, o julgamento referente á prisão em segundo grau do Lula.
 
Se assim não fora, o ex Presidente estaria em liberdade. Explico. José Dirceu, tal qual Lula foi condenado pelo Tribunal Regional Federal da quarta Região (TRR4) em Porto Alegre. Sabe por que está solto? Devido à famigerada Segunda Turma que afrontando decisão do Plenário do STF o colocou na rua.
 
Neste passo, analisemos. Toffoli sai da Segunda Turma e Carmem Lúcia entra. Ele, a favor da soltura dos réus condenados em segunda instância, Ela contra. Dessa forma em que pese Toffoli poder pautar o julgamento definitivo da questão de prisão em segundo grau, na segunda Turma, Carmem Lúcia, equilibrará a balança, evitando o escancaramento das portas das prisões aos Lula e Dirceu, da vida.
 
Vai aqui um tira gosto sobre política. A situação de Minas Gerais é lastimável em termos de candidatos. Já imaginou o eleitor ouvir um carro volante a todo volume, com Dilma a bordo pedindo voto para o Brasil voltar a ser feliz? Logo ela responsável por milhões de desempregados, inflação alta e dívida interna de quatrocentos bilhões.
 
Mas isso não é tudo; meia hora depois é a vez do trio elétrico do Aécio. “queridos eleitores mineiros: sou honesto por natureza, fui vítima dos bandidos da JBS, grupo que bancou o PT e a mando dele jogou uma casca de banana em minha calçada; votem em mim para acabar com a corrupção”. Desgraceira, tchê.
 
Dr. Francisco Mello dos Santos. Advogado Criminalista. OAB-MT 9550. Especialista em Direito Penal e Processual Penal. drfranciscomello@terra.com.br (669)96892292.

 

 

 

 

Em 27 de agosto próximo passado, aos 91 anos, morreu em Porto Alegre, João Paixão Côrtes, o Pai do CTG, e símbolo maior do tradicionalismo gaúcho. Seria apropriado chamar João Paixão Côrtes de mascote dos gaúchos? Por uma ótica elogiável e positiva, sim.

Imagine um gaúcho tradicionalista, vestido ou pilchado a caráter, bem a preceito dos costumes ministrados nos CTG, tanto na indumentária quanto na linguagem. Então vai da de cara com João Paixão Côrtes.

Sempre há quem discorde de tudo e de todos, inclusive dele.

Engana-se quem pensa que o tradicionalismo é abraçado e defendido por todos os gaúchos. O Rio Grande do Sul é culturalmente diversificado. Explico: os costumes do pessoal da campanha, missões e fronteiras com Uruguai e Argentina, tais como bailes de corredor, gaita ponto, churrasco em fogo de chão, rodeios, carreiradas, uso de boinas, tosquia, tafoneiros, esquiladores, posteiros, peões de estâncias etc, são diferentes da região litorânea, como Rio Grande, Osório, Santo Antônio da Patrulha, Tramandaí, Torres, Cidreira e até Porto Alegre.

Apesar disso, a importância dos Centros de Tradições Gaúchas, criados por João Paixão Côrtes é imensa no Rio Grande do Sul e fora dele. O gauchismo propriamente dito não existiria sem este homem notável que valorizou lendas, músicas, ditados e crendices gauchescas.

Natural de Santana do Livramento, Côrtes se notabilizou de tal modo que foi imortalizado com o panteão do Laçador representando o gaúcho na capital Porto Alegre. Saiba que em todos os Continentes existem CTG, graças a este gênio em apreço.   A riqueza cultural de sua arte torna-se maior e mais nobre quando ele insere holisticidade no Movimento Nativista com a presença de imigrantes, índios, negros e brancos.

Merecidamente João Paixão Côrtes está para a cultura tradicionalista gaúcha, como Bento Gonçalves, Garibaldi ou Canabarro estão para o Movimento Farroupilha. Neste trote, achei apropriado reverenciar este valoroso gaúcho no contexto de sua morte em agosto passado, assim como nas comemorações de “20 de setembro” que se aproximam em homenagem a Guerra dos Farrapos.

Abracito companheirada.

Dr. Francisco Mello dos Santos. Advogado Criminalista. OAB-MT 9550. Especialista em Direito Penal e Processual Penal. drfranciscomello@terra.com.br (669)96892292.

 

 

 

 

 

Muitos criticam advogado criminalista, mas, quando têm a infelicidade de cometerem um crime e precisam ser apresentados; ou ao serem investigados, presos, ou processados me ligam desesperados para que eu possa atuar em suas defesas.

Sou grato a Deus por ter o privilégio de muitíssimas vezes ser constituído para defender clientes no Sul do País e em outros Estados, muito distante de Rondonópolis.

Ontem, ao dizer que quando alguns constituintes meus ganham liberdade não participo da festa, vários amigos não acreditaram. Pois reafirmo o que disse. Não participo de uma festa na qual se comemora, por exemplo, a progressão de regime de um criminoso reincidente. Até quando vamos conviver com a presunção de que o profissional do Direito Penal é amigo ou cumpliciado com bandidos?

Nem todos os que foram ou estão presos são bandidos. É preciso fazer essa afirmação. Às vezes, por uma revisão criminal, um inocente que estava preso é libertado. E em muitíssimas outras, pessoas presas, ganham liberdade provisória, respondem o processo fora das grades, provam suas inocências e são absolvidas.

A função do Advogado Criminalista é fazer uso das garantias constitucionais e legais disponíveis ao seu cliente, no contexto processual do contraditório e da ampla defesa, tudo na conformidade  e melhor aplicação do devido processo legal.

Muitos desdenham dos advogados criminalistas como se estes fossem acolherados com seus clientes. Ledo engano. Alguns Advogados desonram a advocacia, mas não é a regra, até porque a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) pune severamente na forma do nosso Estatuto as condutas desabonadoras, ilícitas e/ou antiéticas.

A Lei nº 8.906/94 é nosso Estatuto; a maioria esmagadora dos Advogados segue e observa este Regulamento, primando pela conduta ilibada, na conformidade do nosso Código de Ética e Disciplina.

Não há de ser o prejulgamento de alguns que me demoverá de exercer a nobre função de advogado criminalista. Ao ser contratado por alguém, sou pago para fazer – portanto, faço – a melhor defesa possível, invocando todos os seus direitos por ser de Lei e de Justiça.

Deixo claro que não gosto de bandidos nem deles sou parceiro. Exerço minha função dentro da constitucionalidade e, legalidade. Todos merecem defesa jurídica e técnica o que na maioria das vezes é feito por um advogado criminal. Portanto é injusto tentar enxovalhar a reputação dos advogados criminalistas.

O denunciado não pode ter sua culpabilidade presumida; se faz necessária atuação da defesa de modo a garantir a oportunidade processual para ele contestar e se defender na conformidade da Constituição Federal, Código de Processo Penal,  Código de Processo Penal Militar, Estatuto de Criança e do Adolescente, Leis Penais esparsas, Doutrina, Jurisprudências, Tratados, Convenções, Pactos, Declarações de Direitos etc.

Convido meus nobres colegas criminalistas a defenderem aguerrida e bravamente nossa maravilhosa profissão, lutando pela garantia de nossas prerrogativas.

É o que há.

Dr. Francisco Mello dos Santos. Advogado Criminalista. OAB-MT 9550. Especialista em Direito Penal e Processual Penal. drfranciscomello@terra.com.br (669)96892292.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Já dizia o Silvio Brito: Quando alguém se apaixona fica bobo, fica louco, perde a Razão; Não adianta conselhos, está preso dominado pelo Coração. Isso também se aplica aos sentimentos políticos.

Em 31 de agosto teremos o início da programação eleitoral pela TV.

Meireles, portador de um minuto e 55 segundos na TV, vai valorizar a figura de Lula, do qual foi presidente do Banco Central, para atrair eleitores. Estou rindo barbaridade. Lula, a meu vê, não transferirá votos a candidatos liberais, mesmo que com eles tenha convivido.

Alckmin tem 5 minutos e 32 segundos. Vai tentar desconstruir Bolsonaro, apesar de não simpatizar com agressividade. Tem muito tempo e pouco voto.  Estima-se que estará em franco crescimento a partir de primeiro de setembro.

Fernando Haddad terá 2 minutos e 22 segundos. Centrará fogo para demolir Bolsonaro, e garantir, que será a melhor versão de Lula na Presidência. Será criticado por seus “colegas” de esquerda – Boulos, Marina e Ciro – os quais tudo farão para que os eleitores não liguem Haddad a Lula.

Marina, porta 21 segundos de televisão. No melhor estilo avatar, bradará: “Amo a floresta, viva a natureza; sou mãe, mulher, professora, trabalhadora e negra”, e finaliza: jamais desistirei. 

Álvaro Dias leva 40 segundos. Tem coragem de sobra. Prega o porte de arma, privatização pela metade da Petrobras e redução do Bolsa Família, entre outras coisas. 

Ciro Gomes é titular de 38 segundos na TV. Aparecerá dizendo “fui ministro bem avaliado; governador do Ceará, e melhor do País; prefeito de Fortaleza e melhor do Brasil segundo a Folha de São Paulo. Vou tirar o nome dos brasileiros do SPC” etc.

Boulos vai com 13 segundos e Bolsonaro apenas 8 segundos; não da um “se vira nos 30”.

“Na TV vou convidar o eleitor a assistir minhas lives pelo celular, vai da certo; meu produtor de vídeos é competente e cobra barato. Vamos gastar um milhão apenas, nossa grana é curta, mas, de nada nos queixamos”, diz Bolsonaro.

Os outros presidenciáveis, como diz o gaúcho nem te conto, apenas cito os nomes, considerando a pouca densidade eleitoral: Cabo Daciolo, Eymael, Vera Lúcia, João Amoêdo e João Goulart Filho.

Tudo por hoje.

Dr. Francisco Mello dos Santos. Advogado Criminalista. OAB-MT 9550. Especialista em Direito Penal e Processual Penal. drfranciscomello@terra.com.br (669)96892292.

 

 

 

 

 

 

Clarice Lispector escreveu “O mundo é desumano e nós não somos humanos; considero esta, a pior descoberta de todos os tempos”.

Faz tempo que os brasileiros estão se digladiando política e ideologicamente. No topo os candidatos se unem em alianças que mais parecem Cartéis de Cali ou Medelin, ao passo que na base os eleitores se entreveram feitos samurais.

O ódio está presente entre os Lulistas e Bolsonarianos e isto nos leva a pensar que a situação pode tornar-se incontrolável no decorrer, ou após a campanha.

Quem se eleger governará? Eis a questão. Provavelmente esta será a eleição que mais exigirá presença das forças armadas, considerando a animosidade entre as correntes ideológicas.

Não bastasse o gritêdo dos petistas, o candidato do (PSOL) destila ódio, como diz o cuiabano: jhoga fogo pelos óios. Outro presidenciável com a Bíblia na mão diz: vou pegar todos vocês!

Criticaram Bolsonaro quando ele afirmou que vai endurecer com a bandidagem e ficaram calados quando Lula disse em seu discurso antes de ser preso: “Eu sou uma ideia, percorram todos os dias o Brasil, ocupando, invadindo, incendiando para que eles saibam que uma ideia não morre nem é presa”.

Quero meu País livre da desordem, das drogas e da violência. Que nenhum candidato procure eleger-se com apoio de facções criminosas, para que delas não fique refém.

Dizia Platão “o governante que trai seu povo, por este deve ser substituído”. Nada mais lúcido. Quisera meu Deus que os cidadãos fossem iguais marimbondos de fogo: ao serem, lesados ou traídos revidassem, todos e ao mesmo tempo, para evitar a continuidade das perturbações, ou o sucesso dos tiranos.

Torso para que o (a) Presidente ao se eleger, execute seu plano de governo com independência; sem precisar pedir permissão a fazendeiros, sem terras, banqueiros, industriais, crime organizado, evangélicos, católicos, ateus etc.

O Presidente ideal deve privatizar as estatais; enfrentar as organizações criminosas; policiar as fronteiras; endurecer a legislação Penal e Processual Penal; alterar as penas do Estatuto da Criança e do Adolescente; estruturar inteligencialmente e dar condições materiais às Polícias; investir nas Forças Armadas e permitir o porte de arma aos cidadãos que não tenham histórico criminoso.

É como penso.

Dr. Francisco Mello dos Santos. Advogado Criminalista. OAB-MT 9550. Especialista em Direito Penal e Processual Penal. drfranciscomello@terra.com.br (669)96892292.

O aborto é crime no Brasil. Salvo em algumas situações, entre elas a decorrente de estupro. Os Espíritas desaprovam o aborto em todos os contextos; Católicos e Evangélicos suportam ou apenas toleram as modalidades de abortos que estão tipificadas pelo Código Penal, (artigos 124/128), e se posicionam contra os movimentos para ampliarem-no.

Meu amigo Dr. Ruy Ferreira contribuiu com a seguinte observação: Não é mais inteligente e menos doloroso, usar um contraceptivo do que correr o risco de engravidar? Com toda certeza Doutor, some-se a isso a pílula do dia seguinte, no caso de um eventual descuido ou até de um estupro.

Alguns militantes da esquerda, logo após algumas postagens minhas, perguntam se sou contra ou favorável ao aborto. Fazem isso porque o marco referencial deles para alguém ser de esquerda é defender com veemência o aborto. Quando respondo que sou contra, é a senha para o início da guerra. Além de tentarem me convencer que eles estão corretos, já lançam seus mísseis ideológicos em várias direções com o objetivo de bombardear minhas convicções sobre ideologia de gênero e outros temas.

Penso que não se deve julgar depreciativamente a mulher que cometeu um aborto. A despeito de desaprovar, penso que quem realiza tal ato sofre posteriormente um abalo moral ou trauma profundo; mesmo que ninguém mais venha saber, a consciência deve pesar uma barbaridade, e, isso por si só, já é um sofrimento considerável.

Para quem já praticou, o ideal é não ficar se lamuriando, e sim, procurar a superação através do firme propósito de não mais incorrer neste crime, esmerando-se em demover outras mulheres desta prática deletéria, promovendo e valorizando a vida e assim se redimindo por completo, voltando a ser portadora da sã consciência para o enlevo da existência digna e sem remorso.

Penso que quando o ajuste de conduta de alguém ocorre de dentro pra fora, ou seja, não pela lei, mas, por profundo arrependimento, o resto da vida é digno de ser vivido em paz com a sensação de efetiva e benfazeja reparação em toda plenitude. Isso é o que se chama: nascer de novo.

Portanto minha irmã, a vida não acabou literalmente. Vá e não aborte mais. Vamos pra frente exercendo a caridade; desta forma não há trauma que sempre dure. Abraço a todos. Até a próxima.

Dr. Francisco Mello dos Santos. Advogado Criminalista. OAB-MT 9550. Especialista em Direito Penal e Processual Penal. drfranciscomello@terra.com.br (669)96892292.

 

 

Ao observarmos uma nação governada por corruptos e populistas inescrupulosos, veremos que o povo é desmotivado, indiferente; tanto faz a conduta imoral dos maus, quanto o comportamento ilibado dos bons.

É difícil escolher candidatos atualmente no Brasil. Conheço a História Geral e do Brasil razoavelmente bem e a conclusão a que cheguei é que esta democracia não nos deu o que deveria; assim sendo, algo deve acontecer com urgência.

Ou faremos uma revolução pelo voto, ou elegeremos a maioria dos políticos de carreira, muitíssimos, protagonistas de variados crimes, seja corrupção ativa ou passiva, lavagem de dinheiro, sonegação, associação criminosa, evasão de divisas, fraldes em licitação, improbidade administrativa, compra de votos, abuso do poder econômico, e o diabo aquático.

Já me decidi, voto em Bolsonaro. Muitos me acham louco, mas não apontam soluções melhores. A violência está nas ruas; os menores a serviços dos maiores aterrorizam a todos; o ECA, libera a maioria dos bandidos adolescentes; quando pune, são raríssimos os casos de internações que ultrapassam um ano, e, mesmo aqueles internados por três anos não são profissionalizados como manda a Lei. Saem e voltam a delinquir.

Os corruptos não estão sendo processados com celeridade e isso da à impressão que vale a pena se enriquecer ilicitamente; o tráfico não é reprimido com veemência até porque não há presídios para todos; as fronteiras escancaradas facilitam o armamento para os bandidos; o governo de esquerda desarmou a população apesar de o povo ter votado pelo direito de ter armas.

Bolsonaro não pode mudar cláusulas pétreas, mas, se tiver maioria no Congresso poderá mudar muita coisa na legislação para o bem de quase todos e azar da bandidagem.

Chega desse Congresso – Câmara e Senado – que mais parece um covil de salteadores – com exceção de alguns. Vamos renovar isto ou tudo continuará como está. Não votem branco nem nulo, isto não resolve nada. Vamos pras urnas depois de olhar os antecedentes dos candidatos e escolhamos conscientes sem vender votos ou pedir favores, só assim seremos respeitados pelos eleitos.

Dr. Francisco Mello dos Santos. Advogado Criminalista. OAB-MT 9550. Especialista em Direito Penal e Processual Penal. drfranciscomello@terra.com.br (669)96892292.

 

 

 

 

DILMA VERSUS MARINA

Dilma não é candidata a Presidente mas me fez rir barbaridade com seu comportamento lunático e suas frases sem efeito. Marina disputa a Presidência e muito embora eu não vote nela reconheço sua prudência e relativa intelectualidade.

Nestes registros, colacionarei frases das duas senhoras com o objetivo de mostrar que ambas são socialistas por vocação, contudo a lucidez da Marina em certos pronunciamentos a diferencia significativamente de Dilma.  Vamos lá.

Dilma perdida: – “Não acho que quem ganhar ou quem perder, nem quem ganhar nem perder, vai ganhar ou perder. Vai todo mundo perder”.

Marina coerência: “Eu tenho a coragem de fazer o que nem as lideranças do PSDB são capazes de fazer: dar o crédito da política econômica ao Fernando Henrique, mesmo ele não sendo assim tão popular”.

Dilma desnorteada – “(…) Quero dizer para vocês de Roraima capital – Roraima não é Capital – mais distante de Brasília que eu me considero hoje uma roraimada”.

Marina romântica: – “Me ame quando eu menos merecer… porque com certeza é quando eu mais preciso”.

Dilma demente – (…) tinham seis empresas que apresentaram suas propostas, houve um deságio de quase… foi um pouco mais de 38%, mas eu fico em 38% para ninguém dizer: ‘Ah, ela disse que era 38′, mas não é não. É 39, 38 e qualquer coisa ou é 36. 38, eu acho que é 39, mas vou dizer 38.

Marina sonhadora: – “Não é hora de ser pragmático, é hora de ser sonhático e de agir pelos nossos sonhos (…)“.

Dilma sem gardenal: – “Nós somos do gênero humano, da espécie Sapiens, então, para mim, essa bola é um símbolo da nossa evolução. Quando nós criamos uma bola dessas, nós nos transformamos em Homo sapiens ou mulheres sapiens”.

Marina limpinha: – “Nunca fumei maconha, bebi álcool ou usei daime: só Biotônico Fontoura“.

Dilma cambaleante: – (…) Agora, a rede, eu acho que ela tem um lado lúdico, sabe? Porque isso que as crianças gostam tanto no pavilhão. Porque, quando você está lá em cima… Eu não posso ficar aqui brincando, não é? Então… Mas você percebe direitinho como é que dá para brincar, porque se você inclinar para um lado e, imediatamente, virar para o outro, você fica balançando mesmo, você consegue equilibrar.

Marina racional: “Não há como falar mal da elite; a desgraça de um país não é a sua elite, é não tê-la”. Marina é socialista por vocação, mas amedronta menos quando profere frases como esta acima.

Dilma “intelectual”: (…) “E tem uma pintura dela que eu acho genial, é… como é que é? Natureza Morta… Ai, eu tinha de lembrar a palavra. Natureza Morta… é uma contradição em termos: de que é o quadro? É uma natureza morta? Rodando, você entendeu? É o stand still a Natureza Morta; ela bota uma mesa e os componentes da natureza morta estão girando (…)”.

Marina quase Liberal. Tentando ser compreendida pelos empresários, e, sinalizando que o Estado não deveria ser grande ou paternalista, proferiu esta pérola: “As pessoas começam a infantilizar a sociedade. Agora temos Estado pai, Estado mãe, Estado tio, Estado avô“.

Dilma redundante: – “Porque o que é uma ponte? uma ponte é, geralmente, e é algo que nós devemos nos inspirar, porque uma ponte é um símbolo muito forte. Pensem comigo, uma ponte, ela une, uma ponte fortalece, uma ponte junta energia, uma ponte permite que você supere obstáculos. O que nós queremos no Brasil, é que, entre nós, se construam pontes”.

Marina idealista: (…) “o ideal que move as pessoas para melhorar o mundo deve estar na popa e não na proa, a nos impulsionar para o futuro”.

Dilma fora da casinha: – “Não vamos colocar meta. Vamos deixar a meta aberta, mas, quando atingirmos a meta, vamos dobrar a meta”.

Marina não é uma Brastemp, mas, está intelectual e diplomaticamente falando, anos luz a frente da Dilma.

Dr. Francisco Mello dos Santos. Advogado Criminalista. OAB-MT 9550. Especialista em Direito Penal e Processual Penal. drfranciscomello@terra.com.br (669)96892292.

 

 

 

 

 

 

 

A média das verbas indenizatórias dos deputados estaduais no Brasil é de R$ 32 mil. Pernambuco é o Estado mais austero paga R$ 15.450,00.

A Transparência Brasil informa: os deputados estaduais de Mato Grosso são os que recebem mais. Vai vendo: O salário em si é R$ 25,3 mil, mas há um plus de R$ 65 mil, – aumentado em mais R$ 6 mil recentemente – mais mil litros de gasolina. Tudo para bancar as atividades parlamentares, sendo curioso não ser exigido controle ou prestação de contas deste valor.

Intrigante como o Centro Oeste e Norte do País oferecem políticos gastadores. Mato Grosso, Roraima, Amapá e Acre é o quarteto com Deputados mais perdulários da Federação.

Fazer o que! Está na Lei: cada Assembleia Legislativa tem a faculdade de determinar o quantum destinará pra seus deputados, ponto.

Diz a Transparência que em Mato Grosso perdeu-se o caráter indenizatório. Não precisa mais apresentar as costumeiras notas – muitas delas frias – empenhar e receber.  Ao final do mês a grana cai na conta. O resto? Quem quer saber do resto? O povão está na NEFLIX ou na novela.

Em relação a gastos anual das verbas, na Câmara Federal, o campeão foi meu xará Francisco Chapadinha do Pará. Valor: R$ 2.080.728,66. Alegou grandes distâncias.

Uma amostrinha: No Senado, David Alcolumbre, do Amapá, foi o campeão em gastança. Justificou que em seu Estado tudo é mais caro.

Países com excelência em IDH como Japão, Canadá, França, Inglaterra e Alemanha, pagam menos a seus deputados que o Brasil. Aqui, a despeito de serem bem pagos, 40% de nossos Congressistas, respondem a processos no STF; nos Estados não é diferente, muda apenas o Tribunal.

Após uma charla com meu amigo Alikson Batista Reis, Filósofo, Professor e pré candidato a Deputado, fiquei pensando: Se os ganhos do Deputado estadual estão atrelados aos do deputado Federal, e os deste é proporcional ao dos Ministros do STF, os  ganhos dos professores que ensinam tanto uns quanto outros, estão atrelados a que mesmo?  Me ajude aí. Como dizia Chico Anísio “E o salário oh!”.

Dr. Francisco Mello dos Santos. Advogado Criminalista. OAB-MT 9550. Especialista em Direito Penal e Processual Penal. drfranciscomello@terra.com.br (669)96892292.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

UM CONTO INTRIGANTE

Apesar de ser advogado, Benites Suarez sempre gostou de comunicação. De 1992/1997, apresentou programas televisivos, comentou futebol, fez jornadas esportivas, secretariou Associações de Cronistas Esportivos e escreveu em jornais. Apresentou também programas Country em várias rádios de alguns departamentos do Uruguai. Na Rádio Campeira da Capital, por exemplo, a abertura do programa era assim: Começa aqui neste instante, o programa Country e Cia; Benites é quem apresenta, Madero sonoplastia, nós gostamos muito disso, pois o nosso compromisso e com a sua alegria. Seguraaaaa Peãooooo.

Pois bem, a convivência de Benites com os colegas de imprensa era excelente. Faziam churrascos, jogavam futebol, truco e bebiam de tudo, uns mais, e, outros com moderação. Ao final de uma churrasqueada numa sexta feira na casa de Benites, quase todos saíram, no entanto um dos seus mais leais companheiros, o radialista Morelos Muñoz – grande repórter esportivo e torcedor fanático do Peñarol, de Montevidéu – resolveu beber a saideira enquanto ouvia a música Mercedita.

De repente ouviu-se um chiado intermitente na cozinha; a gurizada mexeu na mangueira do fogão e iniciou-se um vazamento, seguido de um forte cheiro de gás. Todos iam até a porta, mas retornavam apavorados temendo uma explosão.  Um esguicho branco com enorme pressão se precipitava do botijão para o teto manchando a laje. Resolveram ir para o jardim e ligar para os bombeiros. Eles chegaram, e um deles adentrou a cozinha; serenamente removeu o botijão para o meio da rua, rindo, enquanto todos corriam. Como num passe de mágica neutralizou o vazamento para alívio dos presentes.

Nesta época Benites ia sempre à Rádio aos domingos pela manhã, gravar os comerciais dos seus patrocinadores. Botava voz, com auxílio técnico do seu amigo Javier Gonzalez, e depois ficavam jogando conversa fora ou vendo e ouvindo Alejandros Contreras, um Pai de santo,  apresentar seu programa terceirizado, com jogo de conchas, tarô, oráculos, mantras, e outras coisas do gênero. Pregava a felicidade, a conquista e reconquista do amor, a prosperidade, a realização dos sonhos e o combate ao mal olhado mediante a realização de alguns trabalhos.

As pessoas ligavam, pediam ajuda espiritual ao apresentador que incorporava umas entidades, mudava de voz, fazia a louvação e as encomendações necessárias para espancar os males e exorcizar os demônios dos ouvintes. Vez por outra ele repetia: No olviden que tengo dominio sobre fuerzas negativas y soy un proveedor de la felicidad, marquen una consulta y se libere de la depresión. Não esqueçam que tenho domínio sobre as forças negativas e sou um provedor da felicidade, marquem uma consulta e livrem-se da depressão.

Certo domingo, como costumeiro, Benites chegou à rádio, gravou seus comerciais e saiu da sala de produções para o Studio, momento em que o locutor do ofício, com a voz embargada informou: “Nota de falecimento. É com muito pesar que noticiamos o falecimento de Alejandros Contreras, titular do programa deste horário”. Apreensivo, Benites procurou saber detalhes e lhe disseram: O Pai de Santo se suicidou!  Benites pensou: Mas que tal… quem diria; no mínimo intrigante!

Dr. Francisco Mello dos Santos. Advogado Criminalista. OAB-MT 9550. Especialista em Direito Penal e Processual Penal. drfranciscomello@terra.com.br (669)96892292.

 

 

 

                           

O Brasil está polarizado. A Esquerda tornou-se impaciente, inconformada, provocadora e agressiva. Perdeu o poder, contraiu a síndrome pós-traumática e sua doutrinação tornou-se indigesta.

A Direita cresce, mas é orgulhosa, pedante e maledicente. Retruca à Esquerda no mesmo tom ou alguns trastes acima, de forma que os debates mais parecem combates medievais.

Embora goste de fazer amigos, tem debates, reuniões e eventos dos quais nem participo, até porque a pauta é sempre monótona e eu gosto de vários sons.

Certos grupos são tão radicais que me olham de revesgueio apenas por saber que não sou socialista. São semelhantes a certos seguimentos LGBT, têm ódio incontido e enrustido das pessoas que não se deixam atrair pra suas malhas, aliás, no meu caso, não conseguem sequer que eu os ouça.

Então também estou ficando radical? É provável, de tanto ouvir esses vermelhos tentarem impor seu portfólio de mentiras como se fosse verdades absolutas me enojei. O máximo que posso fazer é demonstrar que poderei gostar da pessoa, porém, jamais tomar, forçosa ou compulsoriamente, seu “pão e vinho”.

Solicito aos comunistas, socialistas ou outras pragas de gafanhotos que me soltem coxilha abaixo; não tentem me doutrinar, sou Liberal de formação e isso me basta.

Nunca dei uma gargalhada ao ouvir de alguém que ele vota no PT ou no Partido Comunista do Brasil, mas têm uns energúmenos que fazem chacota e desdenham quando digo sou filiado há duzentos anos, no Partido: DEMOCRATAS.

Sei que é recomendável em toda e qualquer situação a elegância e que a urbanidade não deve ser sacrificada; gostaria de manter-me em fogo baixo nas mais ferrenhas discussões porque ao final compensará ter ficado em banho Maria, porém, ainda não galguei esse grau de virtudes.

Dizia Mandela “devemos procurar uma abordagem construtiva, mesmo com os maiores opositores”, e, eu digo: Quisera meu DEUS.

Dr. Francisco Mello dos Santos. Advogado Criminalista. OAB-MT 9550. Especialista em Direito Penal e Processual Penal. drfranciscomello@terra.com.br (669)96892292.

 

Muitos comparam o novo Presidente do México a Lula e também ao Chávez, vai que cole e o México se torne uma Venezuela ou López Obrador seja promovido a presidiário, (bingo).

O eleitor mexicano é igual mulher de malandro, gosta de apanhar. Elegeram para Presidente o esquerdista López Obrador, esquecendo que desde 1910 os Presidentes populistas prometem um oásis na campanha e entregam um deserto depois de eleitos. Foi assim com Francisco Madero, o qual prometeu reforma agrária ao povo e aos revolucionários: Zapata, e Pancho Villa, e não a fez, levando o país a grandes confusões.

O atual Presidente Pena Nieto, de Direita, está desgastado, mas o histórico dos governantes Liberais aconselharia a eleição no mínimo de um Homem de Centro.

Os traficantes estão em confronto no México, a violência é avassaladora e exige urgentes intervenções do governo; a economia precisa de ajustes no setor cambial e o crescimento tem que ser acelerado.

Para quem se elegeu com 53% dos votos, Lopez tem que rebolar até porque, prometeu combater os corruptos de todo gênero mesmo que tenham sido parceiros. Diz que “primeiro os pobres para o bem de todos” já ouvi isso e contraí uma otite.

A despeito de prometer grandes mudanças, afirma que manterá as liberdades: religiosa, de expressão, e empresarial. Promete purificar a vida pública do País; garante revisar as privatizações da área petrolífera, combater privilégios e melhorar a vida dos trabalhadores.

Ainda bem que não garantiu reforma agrária; de qualquer modo, basta o primeiro item para derrubar um presidente.

López Obrador é meio messiânico. Criticou os políticos tradicionais e acenou com austeridade, moralidade, e responsabilidade com a coisa pública. O povão gostou. Vamos vê no que dá. Lembrando que se ele engrossar com os Narcos, melhor seria fazer um tour pelas cavernas da Tailândia, afinal só na campanha deste ano morreram mais de 120 políticos.

Querem saber o que eu acho? Carta branca para o combate a corrupção, a diminuição da pobreza etc, mas, se ele enfrentar o Trump e tentar colocar na lixeira o Liberalismo, que há século está enraizado no México, cairá, porque dinheiro não aceita desaforo. É como penso.

Dr. Francisco Mello dos Santos. Advogado Criminalista. OAB-MT 9550. Especialista em Direito Penal e Processual Penal. drfranciscomello@terra.com.br (669)96892292.

 

 

 

O time do Presidente Temer, tal qual o Brasil está prestes a ser desclassificado; a Polícia Federal marca cerrado, ataca bem e tem um bom goleiro (Ministro Barroso) que lhe da total segurança no jogo.

Quando a Polícia Federal solicita dilação de prazo por três vezes para concluir investigações num mesmo inquérito tem-se a impressão de que Temer está prestes a enfrentar uma terceira denúncia.

O Coronel Lima, amigo de Temer, perdeu a língua, mas deixou rastros nas contratações de empresas de fachadas, para beneficiar a empresa Argeplan de sua propriedade e farejar pegadas, é a especialidade dos homens de preto do delegado Federal Cleyber Lopes, responsável pelo inquérito dos portos.

Segovia, o chefe da Polícia Federal, foi escolhido a dedo por Temer; não se bica com Cleyber Lopes e gostaria muito de vê-lo fora deste inquérito, ocorre que seu canivete não supera a metralhadora do Ministro Barroso que o impede de substituir o referido delegado.

A história é antiga. Há anos, Sarney e sua família foram investigados por Cleyber Lopes e criticado por Segovia; isso explica a desafeição do ex – presidente maranhense por aquele e a predileção por este. Na escolha do chefe da PF por temer, adivinhe quem apareceu para indicar Segovia?

Os homens do Presidente tentam de tudo para inocentá-lo. Em entrevista Segovia informou: Cleyber responderá a um processo disciplinar por ter importunado o Presidente Temer com suas perguntas “exageradas”.

O Ministro Barroso ao impedir Segovia de afastar Cleyber Lopes, abriu o apetite do delegado que se muniu de extratos bancários dos investigados e o tempo fechou de fatos lá pros lados da residência de Maristela Temer, assim como nos domínios do coronel Lima até o Palácio do Planalto. Tá tudo dominado.

Depois de seu mandato, Temer poderá mudar de rotina drasticamente.  Deixará de ouvir óperas e músicas clássicas para curtir sirenes e outros sons típicos do sistema carcerário.

Dr. Francisco Mello dos Santos. Advogado Criminalista e Professor de carreira – OAB -MT 9550. Especialista em Direito Penal e Processual Penal. (669)96892292.