Ciro Gomes frustra esquerdistas e não declara apoio em Haddad
Adventista



Ciro Gomes frustra esquerdistas e não declara apoio em Haddad

Fonte: Da Redação NMT
SHARE
Dono de mais de 13 milhões de votos no primeiro turno, decidiu ficar neutro. Foto Edilson Dantas / Agência O Globo

Após passar alguns dias viajando pela europa, em descanso após uma desgastante campanha de primeiro turno pela Presidência da República, no qual ficou na terceira colocação com pouco mais de 12% da preferência popular, o que significou mais de 13 milhões de votos, Ciro Gomes (PDT) voltou ao Brasil para votar neste domingo (28) e frustrou esquerdistas, sobretudo apoiadores do PT, que esperavam uma fala de apoio do pedetista ao projeto de Fernando Haddad (PT), que encostou no líder nas pesquisas, Jair Bolsonaro (PSL), e sonha em uma virada histórica no segundo turno.

Ciro ressaltou, em vídeo publicado nas redes sociais, que seguirá preservando um caminho alternativo para os brasileiros, falando aos brasileiros que não se vêm representados nem por Bolsonaro e nem pelo PT. Ciro reconheceu que muitos pediram para ele tomar um lado, mas indicou que não se sentiu a vontade para isso para manter a coerência do que pregou no primeiro turno, deixando evidente seu descontentamento com o PT. “Claro que todo mundo preferia que eu, com meu estilo, tomasse um lado e participasse da campanha, mas eu não quero fazer isso por uma razão muito prática que eu não quero dizer agora. Porque, se eu não posso ajudar, atrapalhar é que eu não quero”.

Segundo a avaliação de muitos, Ciro teria mais chances do que Haddad em um embate direto com Bolsonaro, visto que na disputa direta com sua presença a maior rejeição em jogo seria a de Bolsonaro, mas com o PT no páreo Bolsonaro ganha discurso e força pelo anti-petismo, que talvez seja a maior força política nacional atualmente. O egoísmo do PT, que irritou não só Ciro como seu irmão Cid, senador eleito pelo Ceará e que em um evento oficial do PT entrou em rota de colisão com apoiadores de Haddad pelas duras críticas que teceu, é o grande entrave para que Ciro não tenha feito campanha contra Bolsonaro no segundo turno.

As articulações promovidas por Lula (PT), preso na Polícia Federal, em Curitiba, que impediram, dentre outras coisas, a aliança nacional do PSB com o PDT de Ciro, acabou por finalizar com o resto de paciência que Ciro ainda tinha pelo PT.