Cidinho vota pelo julgamento de Dilma, mas acredita em reconhecimento histórico
Fullbanner1

Fullbanner2


Cidinho vota pelo julgamento de Dilma, mas acredita em reconhecimento histórico

0
Fonte:
SHARE
Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

O senador Cidinho Santos (PR) foi o segundo dos três representantes de Mato Grosso a votar a favor da pronúncia e o prosseguimento do julgamento da presidente afastada Dilma Rousseff (PT), na tarde desta terça-feira (09), no Senado Federal. Durante o discurso, ele ainda reafirmou que o processo de impeachment não é um golpe.

“Vimos que a senhora presidente Dilma Rousseff teve seu amplo direito de defesa garantido. A supervisão do Senado Federal durante todo o processo garante isso. Portanto, não houve, nem haverá golpe nesse país. Nossas instituições trabalham de forma independente e autônoma, garantindo a solidez da democracia brasileira”, discursou.

Apesar de ser favorável ao impeachment da presidente, ele afirma acreditar no retidão de Dilma e ainda fala em um reconhecimento histórico dos avanços obtidos durante o primeiro mandato dela.

“Acredito que a senhora pessoa Rousseff é uma pessoa honrada. A primeira mulher a presidir a nação, com conquistas importantes em seu primeiro mandato e a história saberá reconhece-la. Mas entre o interesse pessoal e os projetos de um partido politico, precisamos pensar nos interesses do Brasil e do povo brasileiro”, afirmou Cidinho.

Essa é a primeira participação dele no processo de impeachment, visto que Blairo Maggi ocupava a vaga de titula durante o julgamento da abertura do processo no Senado. Depois, Cidinho assumiu a vaga quando Maggi aceitou convite do presidente interino Michel Temer (PMDB) para assumir o Ministério da Agricultura.

Contudo, Cidinho garantiu que acompanhava todo o caso desde antes de assumir a vaga. Ele parabenizou os trabalhos da comissão especial. Na avaliação do parlamentar, a apuração leva a crer que Dilma Rousseff estava ciente da situação fiscal do país quando autorizou a edição de decretos de suplementação orçamentária, sem autorização do legislativo, arrolados pela denúncia contra ela.

“Não se trata de uma revisão da biografia da senhora presidente afastada. Mas sim avaliar seus atos que resultaram nos piores resultados econômicos experimentados atualmente pelo nosso país. Avaliar o descontrole financeiro de sua gestão”, ponderou. Para ele, o governo dela levou o Brasil a um dos piores cenários financeiros dos últimos anos.

Fonte:OlharDireto.

Montreal