Chapão para Federal no bloco de Fagundes aperta MDB
Fullbanner1



Chapão para Federal no bloco de Fagundes aperta MDB

Fonte: Da Redação NMT
SHARE
Foto - Reprodução

Se as promissoras candidaturas de Neri Geller (PP), Roberto Dorner (PSD) e Emanuelzinho Pinheiro (PTB) vingarem com a força que vêm sendo anunciadas nos bastidores, os dois atuais deputados federais do MDB terão que se coçar para não verem naufragar seus projetos de reeleição em outubro, sobretudo Valtenir Pereira que em 2014 foi o menos votado entre os eleitos, ainda pelo PROS com quase 63 mil votos.

O arco de aliança que apoia o nome do senador, Wellington Fagundes (PR), a governador – PR, MDB, PRP, PMB, PSD e PTB – fechou questão em torno de um chapão único, onde cada partido indicará apenas dois nomes para entrar na disputa pela Câmara Federal. O MDB é talvez um dos partidos que já tem cravado seus dois postulantes, os atuais parlamentares Carlos Bezerra e Valtenir.

Ocorre que se efetivaram os outros blocos que estão sendo anunciados, o de reeleição do PSDB, além de outro liderado pelo Democratas, fica um tanto quanto ousado pensar que o chapão de apoio a Fagundes faça mais de três, do total dois oito possíveis eleitos no estado. Bezerra então terá que, no mínimo, repetir sua votação próxima dos 100 mil para se credenciar bem na disputa, enquanto Valtenir terá que aumentar consideravelmente seu lastro eleitoral do último pleito.

O chapão que ainda contará com outro projeto de reeleição, o de Ezequiel Fonseca, pelo PP, que em 2014 teve mais de 90 mil votos, dependerá não só do crescimento da campanha de Fagundes, como também de nomes que venham a protagonizar na senatória. Atualmente, o ex-vice-governador, Carlos Fávaro (PSD), apresenta-se como o chamado “primeiro voto” dentre os dois possíveis candidatos a senador em 2018, mas não tem empolgado nem mesmo dentro do grupo político.

Ainda sobre o MDB, importante ressaltar que Emanuelzinho, o filho do atual prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, apesar de ter decidido sair do partido deve puxar para si muitos votos que no último pleito possivelmente foram destinados a Bezerra e cia ltda. Por influência do tempo em que esteve na liderança da juventude medebista ou em virtude da própria relevância partidária do pai, o jovem pode sim “dividir” a base, sobretudo na capital.