Carrinho, rebatidas e 100% nos passes: a estreia de Julio dos Santos...
Fullbanner1



Carrinho, rebatidas e 100% nos passes: a estreia de Julio dos Santos na zaga

Fonte: Felipe Schmidt e Fred Huber
SHARE

De artilheiro da Libertadores a zagueiro. Por uma
emergência, Julio dos Santos atuou pela primeira vez na sua vida na defesa, na
vitória por 1 a 0 sobre o Boavista, na quinta-feira, em São Januário. Ele
entrou no lugar de Jomar, cortado da relação devido a uma polêmica sobre
cartões, e cumpriu seu papel. Acertou todos os 12 passes que tentou e ajudou
Rafael Marques e Martín Silva a manter a defesa cruz-maltina sem gol sofrido.

A notícia da escalação de Julio na zaga foi recebida com preocupação
pela torcida. O paraguaio, porém, vinha sendo treinado na posição desde os
tempos de Cristóvão Borges no comando. O Vasco tem apenas quatro zagueiros
inscritos no Campeonato Carioca – Rodrigo está em processo de condicionamento
físico, e Luan se recupera de cirurgia no pé direito.

As condições do gramado ajudaram Julio. Com um gramado cheio
de poças, a partida ficou restrita a lançamentos longos e cruzamentos. O
paraguaio, de 1,90m, foi bem nas rebatidas – foram 12 no total – e não ficou exposto no
combate direto. Seu erro mais visível foi um corte errado na área, que possibilitou a Maicon finalizar, mas sem perigo (veja no vídeo abaixo). 

– Primeira vez que joguei de zagueiro. Fico muito feliz por
ter ajudado o time. Já vinha treinando há um bom tempo ali, e saiu tudo bem.
Fiquei sabendo à tarde (que jogaria de zagueiro). Acordei de tarde vendo as
notícias. Depois o treinador falou que tinha toda a confiança para jogar. Para
mim é uma nova experiência – disse Julio ao SporTV na saída de campo, após a partida. 

Carrinho polêmico e elogio de Milton

A atuação de Julio dos Santos também ficou marcada por um
lance em que o Boavista reclamou pênalti. No segundo tempo, o lateral
Christiano desceu pela esquerda e fez o cruzamento para a área. O paraguaio deu
um carrinho, e a bola bateu em seu braço. O árbitro, porém, entendeu que o
braço estava colado ao corpo (veja no vídeo abaixo).

–  Eu dei um carrinho e meu braço estava colado
no meu corpo, não sei se foi mão ou não. Não sei se foi pênalti – admitiu o
paraguaio. 

Para Milton Mendes, Julio cumpriu à risca o papel. O técnico revelou que pediu ao paraguaio para sair jogando – a julgar pelos números, o novo zagueiro foi bem. 

– O Julio entrou bem, fez um bom jogo. Ele jogou como eu queria, saiu jogando. Talvez falte um pouco de velocidade, mas tem um nível extraordinário – elogiou o treinador.