Caminhoneiros cometem “loucura” para burlar pedágio
Fullbanner1



Caminhoneiros cometem “loucura” para burlar pedágio

Fonte: Da Redação NMT
SHARE
Foto - Ilustrativa

Alguns caminhoneiros autônomos em Mato Grosso, basicamente os principais responsáveis pela ala mais agressiva do movimento de paralisação do fim de maio no Brasil, estão colocando suas próprias vidas em risco, bem como de todos aqueles que se defrontam com eles nas rodovias, em busca de economizar custos com o pedágio.

Isto porque, após o presidente da República, Michel Temer (MDB), publicar medida provisória em atendimento das reivindicações da categoria, isentando em todas as praças de pedágio pelo país as cobranças por eixos erguidos dos caminhões, muitos estão suspendendo inclusive quando estão carregados para diminuir os custos.

Como bem se sabe, os caminhões pagam pedágio de acordo com a quantidade de eixo, mas suspender quando se está transportando várias toneladas simplesmente tira a capacidade dos freios, segundo um especialista ouvido pela reportagem.

“O que ocorre, para ficar mais fácil de entender, é que o bombeamento que é feito para suspender o eixo é a ar, o mesmo ar que é usado para acionar o freio. Por isso não há condição de suspender nada se o caminhão não tiver vazio, porque não terá ar para conseguir frear quando preciso, é loucura. Vi estes dias mesmo o vídeo de um carreteiro em São Paulo que decidiu mudar de cancela por causa da fila e o caminhão tombou na frente da praça de pedágio, quem quiser ver tem o vídeo no Youtube. O detalhe que para suspender o eixo o caminhoneiro tem que iniciar isso a uns três quilômetros do pedágio para dar tempo”, explicou ao NMT um motorista que não quis ter a identidade revelada, mas que acumula mais de 25 anos de estrada.

Os flagrantes têm sido registrados quase que em sua totalidade nos autônomos, visto que os caminhoneiros contratados por empresas de transporte seguem a orientação dos contratantes que já têm embutido no frete já acertado previamente todo o custo com o pedágio.

Vídeos feitos na MT-130 pela Concessionária Morro da Mesa mostram a irritação de caminhoneiros por terem que passar pelo processo de fiscalização. O trabalho, segundo a empresa, já resultou no flagrante da tentativa de conseguir os descontos por eixos levantados mesmo estando carregados. A prática, configura-se em crime.