Buscando espaço, Taques tenta reconquistar Jayme e Blairo na TV
Fullbanner1



Buscando espaço, Taques tenta reconquistar Jayme e Blairo na TV

Fonte: Da Redação NMT
SHARE
Os três conviveram por quatro anos, de 2010 a 2014, como os senadores de Mato Grosso, em Brasília

Embora saiba que está sendo expelido por boa parte da classe política, sobretudo os líderes partidários das principais agremiações do estado, o atual governador, Pedro Taques (PSDB), ainda cita com carinho e ares de esperança as figuras do senador licenciado e atual ministro da Agricultura e Pecuária, Blairo Maggi (PP), e do ex-senador, Jayme Campos (DEM), seus ex-companheiros de Senado Federal de 2010 a 2014, como quem ainda acredita contar com o apoio de ambos nas eleições 2018. Em entrevista na TV Vila Real, nesta semana, o tucano se referiu com nítido carinho com os dois, enquanto é mais ácido com o restante dos nomes de peso do estado.

“O senador (Blairo) é muito importante e tem ajudado o estado de Mato Grosso. Não sou censor do Blairo Maggi. Ele sabe a quem apoiar e tem liberdade para isso”, disse sobre Blairo na TV. Já sobre Jayme, confirmou que algumas pessoas têm pedido para que ele (Taques) recue e apoie o veterano para governador. Ele, porém, demonstrou afeto por Campos e deixou a entender que sonha em uma chapa de senadores com Nilson Leitão (PSDB) e Jayme disputando ao seu lado.

“O Jayme é um grande nome, mas eu não o convidei. Ele, que tem mais experiência que eu, é que tem que me convidar (…) Ele já foi governador e senador. Ele tem a camisa 10 em qualquer time”, elogiou. O empecilho para as pretensões do gestor é convencer o resto do DEM, hoje com Mauro Mendes, Fábio Garcia e cia ltda. Aliás, sobre Mauro, Taques segue com um discurso meio provocativo quanto a possibilidade do ex-prefeito de Cuiabá realmente vir ao pleito para sucedê-lo.

“Estive junto com o Mauro Mendes em 2010, 2012 e 2014. Até casamento acaba. Se ele deseja ser candidato, que seja. Eu escolho companheiros leais que estejam comigo, não adversários. Ele tem toda legitimidade para ser candidato e é bom que seja”, pontuou o tucano.