BUSCA DA ALMT: Kalynka afirma “lutar por mulheres, mas sem vitimismo”
Adventista



BUSCA DA ALMT: Kalynka afirma “lutar por mulheres, mas sem vitimismo”

Fonte: Da Redação NMT
SHARE
Jornalista de Rondonópolis é aposta do PRB. Foto - NMT

Jornalista de destaque em Rondonópolis, sobretudo como repórter de TV, Kalynka Meirelles (PRB) será opção ao eleitor mato-grossense nas urnas, em 2018, para preencher uma das 24 vagas da Assembleia Legislativa de Mato Grosso – ALMT. Em fala ao NMT, nesta semana, a jovem afirmou ser cristã e defensora da família. Contou que é sim uma ativista de várias causas específicas de políticas para as mulheres, mas rejeita totalmente o rótulo de “feminista” e disse abominar o viés vitimista da causa, que algumas frentes assumem.

Presente na convenção do PRB, no último final de semana, em Cuiabá, Kalynka explicou que se vê dentro de uma proposta de renovação, mas adiantou que é conversadora nos costumes e que vê o político como alguém responsável por cuidar de pessoas, sem que extrapole esta função. Sobre os grupos que defendem que o Estado assuma a condição de adotar políticas públicas compensatórias para que mulheres conquistem novos espaços na sociedade, a pré-candidata a deputada estadual vê esta transformação muito mais rápida com a proatividade individual.

“O político precisa ser atento às necessidades sociais e intervir, mas não pode com isso prender as pessoas a si de maneira que elas não consigam respirar sem sua ajuda. Não sou feminista, embora vejo que ainda são necessários avanços sociais na relação igualitária homem e mulher, mas não acho que isso seja um problema para o Estado unicamente resolver. Esse espaço será naturalmente ocupado quando as mulheres, individualmente e em consequência coletivamente, se impuserem e conquistarem suas coisas. Isso já vêm ocorrendo, sem vitimismo”, pontuou.

Chegada de Sachetti

 

Ao lado da ex-senadora Serys Slhessarenko, que atualmente busca a Câmara Federal, e de Adílton, Kalynka é uma das opções do PRB ao legislativo estadual. Foto – NMT

Dona de 688 votos nas eleições municipais de 2016, quando tentou ser vereadora de Rondonópolis e acabou ficando na suplência, a jornalista admitiu que já havia pessoalmente decidido que sua investida única a um cargo público não seria repetida, mas a chegada do atual deputado federal, Adilton Sachetti (PRB), na condição de novo líder estadual da sigla, acabou por animá-la a estudar a possibilidade de um novo projeto para 2018. “Quando o Adilton veio para o partido (PRB), eu pensei: Deus, isso é um sinal. Porque eu só trabalho com pessoas honestas, com gente séria e que tem objetivo de ajudar o próximo”, explicou.

Chamada a ocupar a condição de encarar o desafio de candidatar-se a Assembleia Legislativa, Kalynka reiterou que a figura e a carreira de Sachetti a inspiraram a tentar novamente. “Perdi meu pai para um câncer com cinco anos de idade e Deus me obrigou a ser forte. Não tive a proteção paternal e tive de aprender a viver, ao lado da minha mãe, que também teve que criar esta força. No meu município, eu vi a diferença de um administração pública feita por alguém que sabe fazer isso de verdade, um empresário que sabe transformar as coisas como Adilton fez com Rondonópolis. É óbvio que tê-lo no mesmo partido me empolgou e me fez estar aqui”, assumiu durante a homologação da sua candidatura.