Bebê vítima de maus-tratos morre após ficar internado 3 meses em Várzea...
Fullbanner1



Bebê vítima de maus-tratos morre após ficar internado 3 meses em Várzea Grande

Bebê sofreu traumatismo craniano e fratura na perna, segundo os médicos. Polícia Civil vai indiciar a mãe e o companheiro dela por tortura.

Fonte: Da Redação com G1 MT
SHARE
Bebê vítima de maus-tratos morreu após ficar internado 3 meses no Pronto-Socorro Municipal de Várzea Grande (Foto: Reprodução/TVCA)

O bebê de 6 meses, que foi vítima de maus-tratos por parte da mãe e do companheiro dela, morreu nesta quarta-feira (26) enquanto estava internado no Pronto-Socorro Municipal de Várzea Grande (PSMVG), na região metropolitana de Cuiabá. O menino, na época com 3 meses, estava internado desde janeiro depois que sofreu traumatismo craniano e ter graves sequelas neurológicas.

O caso já era investigado pela Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Deddica). A Polícia Civil informou que a mãe da criança e o companheiro dela serão indiciados por tortura qualificada com resultado de morte.

Segundo a assessoria do PSMVG, o menino passou por cirurgia no dia 13 de março, na Santa Casa de Cuiabá, onde recebeu uma sonda alimentar. Nesse procedimento a criança contraiu uma infecção. Desde então, o estado de saúde do bebê, que já era grave por conta de uma sequela neurológica, passou a ser tratado com antibiótico para combater o quadro infeccioso grave.

O menino não resistiu aos sintomas dessa infecção e morreu nesta quarta-feira. O corpo dele foi liberado por uma equipe de policiais do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Um laudo deve apontar a causa da morte do menino.

Maus-tratos
O bebê foi levado para a Policlínica do Planalto, em Cuiabá, pela mãe, em janeiro deste ano, com uma parada cardiorrespiratória, sendo transferido para o Pronto Socorro de Várzea Grande diante da gravidade da situação. Na ocasião, segundo a médica que cuida do menino, a mãe alegou que o bebê teria se engasgado com a mamadeira.

A mãe perdeu a guarda da criança na Justiça, que inclusive proibiu as visitas dela e de familiares ao bebê, no hospital. Durante o atendimento médico, a equipe do hospital percebeu que o bebê também apresentava uma fratura na perna esqueda, já em fase de recuperação.

Ao consultarem a Policlínica do Planalto, foram informados de que o bebê já havia dado entrada na unidade semanas atrás, por conta da fratura. Daquela vez, a mãe disse que o filho havia caído do carrinho.