Base pressiona Blairo Maggi a ficar no PR
Fullbanner1

Fullbanner2


Base pressiona Blairo Maggi a ficar no PR

Veto do governador ao PMDB tem preocupado aliados de Blairo, que temem retaliação

0
Fonte:
SHARE
Foto: Época

Diante das seguidas declarações de que o PSDB pode vetar o PMDB em alianças para as eleições municipais de 2016 em Mato Grosso, o senador Blairo Maggi está sendo pressionado a permanecer filiado ao PR e evitar a adesão ao PMDB. Conforme apurado pela reportagem, Blairo foi procurado nesta segunda-feira (15) por, no mínimo, quinze lideranças políticas que são aliadas em municípios das regiões norte e médio norte, como Sorriso e Lucas do Rio Verde, que expuseram sua preocupação em sua ida ao PMDB.

Isso porque muitos vereadores e prefeitos aliados de primeira hora do senador Blairo Maggi temem retaliações do governo do Estado, diante das intransigentes declarações do presidente do diretório estadual do PSDB, deputado federal Nilson Leitão, de vetar aliança com o PMDB em Mato Grosso. Oficialmente, os tucanos alegam que firmar aliança com os peemedebistas seria uma incoerência diante da oposição feita à gestão do ex-governador Silval Barbosa e ao discurso adotado pelo governador Pedro Taques de denunciar seguidamente o que considera desmandos e corrupção de seu antecessor.

No entanto, conforme revelado por fontes de ambos os lados políticos, a intransigência do PSDB tem outro foco que é impedir a ascensão do PMDB com a chegada do senador Blairo Maggi ao partido, o que em tese fortalece a oposição em Mato Grosso para as eleições de 2016 e, principalmente, de 2018, quando estarão em disputa duas vagas ao Senado e a cadeira de governador do Estado. “Com a chegada do Blairo ao PMDB, o partido será o maior de Mato Grosso em número de vereadores e prefeitos e isso incomoda e muito o grupo político do governador Pedro Taques. Por isso, o PSDB adotou o discurso da intransigência para impedir esse fortalecimento do PMDB, espalhando o medo aos vereadores e prefeitos de outros partidos dispostos a acompanhar Blairo Maggi. Os prefeitos temem agir na contramão do partido do governador”, disse uma das fontes.

Somente na Assembleia Legislativa, o PMDB avalia a possibilidade de tornar-se a maior bancada. Com a chegada do senador Blairo Maggi, os deputados Emanuel Pinheiro e Wagner Ramos estariam dispostos a deixar o PR.

Com a chegada de Janaína Riva, que deixou o PSD, o PMDB saltaria para seis representantes, número suficiente para obstruir votações e até emplacar CPIs (comissões parlamentares de inquérito), que exigem o número mínimo de 8 representantes do Legislativo. A janela, que vai permitir a troca de partido sem a perda de mandato aos agentes políticos, está para ser promulgada pelo Congresso Nacional na quinta-feira (18). No dia seguinte, o vice-presidente da República, Michel Temer, participa de um evento do PMDB e está programado avalizar a ficha de filiação do senador Blairo Maggi e da deputada Janaína Riva.

Em meio à pressão de aliados, o senador Blairo Maggi mantém conversas reservadas com amigos e avalia qual decisão tomar até o final desta semana. A filiação ao PMDB sempre foi um sonho pessoal de Maggi, que militou no partido nos tempos de estudante universitário e viu seu pai, André Maggi, pertencer ao antigo MDB, que se opunha ao regime militar.

Fonte: FolhaMax

Montreal