Aumento na safra faz produtores terem dificuldade para vender feijão no Paraná
Fullbanner1

Gov

Macropel

Aumento na safra faz produtores terem dificuldade para vender feijão no Paraná

Fonte: Por Gazeta do Povo
SHARE

A quebra na safra de feijão no ciclo passado animou os produtores paranaenses a apostarem mais na cultura neste ano. O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento (Seab), calcula que na primeira safra, no final da colheita agora, foram 198 mil hectares semeados em 2016/17, contra 185 mil em 2015/16 (aumento de 7%). Com clima melhor e área superior, o volume colhido no primeiro “lote” de feijão deve sair de 294 mil toneladas no ciclo passado para 350 mil toneladas agora (crescimento de 19%). Mas esses números, que parecem positivos, têm trazido dor de cabeça a quem cultiva o grão.

De acordo com o último levantamento do Deral, cerca de 75% da primeira safra de feijão já foi colhida. Mas, até agora, apenas 37% dessa produção foi vendida, por causa do preço. “Temos uma primeira safra boa neste ano, com área e rendimento maior que na safra anterior. Em termos de cotação, sempre que há a colheita de grãos há uma pressão sobre preços pela própria oferta”, explica o técnico do Deral, Edmar Gervásio.

O produtor Eucir Brocco, de Pato Branco, apostou 50 hectares de feijão carioca na primeira safra. Em uma das áreas ele colheu 18 sacas por hectare – com quebra por causa de uma estiagem – e em outra parte conseguiu colher 35 sacas/ha (a média do estado é de 30,3 sacas/ha). A lavoura foi colhida na metade de janeiro, mas ele conseguiu vender somente nos últimos dias. “Vieram três ou quatro compradores na minha propriedade, eles olharam e nem preço deram. Agora eu consegui vender, mas aqui na região teve dois ou três que comercializaram, o resto está tudo estocado”, relata.