Áudio revela seletividade e pode anular delações de políticos de MT fechada...
Fullbanner1



Áudio revela seletividade e pode anular delações de políticos de MT fechada com Janot

Fonte: Da Redação
SHARE
Ex-chefe de gabinete de Silval, responsável por fazer as polêmicas gravações de políticos recebendo dinheiro do Governo, assume seletividade na delação bem como informações diferentes das que passou a PGR em novo áudio. Foto - Montagem NMT/GD/Veja
O ex-procurador da República, Rodrigo Janot, que pode estar envolvido em uma tramoia de negociação pouco esclarecida envolvendo a delação do empresário Joesley Batista, que teria, na verdade, articulado com o também ex-procurador, Marcelo Miller, que seria uma espécie de interlocutor do então maior nome do Ministério Público Federal – MPF, pode também agora ter errado na mão em condição até de anular a delação monstruosa de Silval Barbosa, ex-governador corrupto do PMDB de Mato Grosso, e seu ex-chefe de gabinete, Sílvio Corrêa. O último, é o homem que aparece em polêmicas gravações entregando maços de dinheiro a ex-deputados estaduais para, segundo consta, apoiar a gestão.

Em áudio de mais de uma hora, gravado pelo ex-secretário de Indústria e Comércio do Estado, Alan Zanatta, que foi até a casa de Silvio se inteirar das situações da delação, o ex-chefe de Silval assume a seletividade na fala, deixa claro a omissão de informações sobre práticas de crimes e sinaliza um acordo novamente obscuro com Janot. Ainda na gravação, Silvio disse que acordou pagar R$ 500 mil a Justiça e afirmou que quem na verdade quitaria a conta seria Silval, algo não esclarecido na delação, bem como o fato de ser dono de um garimpo, coisa que ele também escondeu da justiça e assumiu a Zanatta. “Só isso, só isso e falei algumas coisas que eu quis. Só”, disse Silvio.

 

 

O delator ainda afirma que falou em sua delação “coisas que quis”. Diante as irregularidades e mais uma mancha de uma delação fechada por Janot, o comprometedor áudio do chefe de gabinete de Silval deve ser encaminhado pelas partes interessadas, dentre elas o atual prefeito, Emanuel Pinheiro (PMDB), que recebeu a gravação das mãos de Zanatta, e já enviou o material para análise não só da nova procuradora, Raquel Dodge, como também fará uso dele em sua defesa no STF. Para diminuir o valor do desgaste contra si, certamente as dezenas de citados, gravados ou filmados devem seguir a mesma linha de enfraquecimento e ilegalidade das delações que foram alvo.

 

Montreal