Assassinos de dentista em Cuiabá pegam 23 anos de prisão
Fullbanner1



Assassinos de dentista em Cuiabá pegam 23 anos de prisão

Fonte: Da redação
SHARE

Uma investigação da Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos de Veículos Automotores (Derrfva), que apurou o latrocínio do dentista João Bosco de Freitas, 62 anos, serviu como base para condenação judicial (em 23 anos) dos apontados como autores do crime. As informações são do Folhamax.

O caso aconteceu em julho de 2017, quando criminosos armados, anunciaram assalto com o objetivo de roubar o veículo da vítima (um Corolla), no bairro Jardim Tropical, em Cuiabá. Ao suspeitarem de reação do proprietário do automóvel, os bandidos alvejaram o dentista com um tiro de arma de fogo. A vítima chegou a ser socorrida, mas veio a óbito poucas horas depois.

Nas diligências empreendidas pelos policiais civis da Derrfva, eles identificaram o veículo Celta branco, usado para dar apoio aos criminosos. Em monitoramento do trajeto do carro, e demais atos investigativos, a equipe da especializada chegou a identidade dos três autores: André Fellipe de Amorim, 25 anos, o adolescente, V.H.S.S., 16 anos, e Rafael Silva Aguiar, de 18 anos.

O adolescente foi apreendido no dia seguinte à morte do dentista, no bairro Poção, e confessou ter atirado para roubar o veículo.

Em declarações na DERRFVA, o adolescente infrator contou que todos estavam consumindo drogas em uma praça no bairro Poção e combinaram de roubar um veículo para “umas voltas”. Depois, as placas do automóvel seriam trocadas para que pudessem ir a uma festa, que ocorreria naquela noite.

Conforme o adolescente, todos saíram aleatoriamente procurando o veículo ou alguma vítima distraída, quando depararam com o dentista. André Fellipe, que estava na direção do Celta, estacionou e Rafael e o adolescente desceram para fazer o “enquadramento” da vítima.

A sentença judicial da 4ª Vara Criminal de Cuiabá é refente as condenações de Rafael e André por roubo seguido de morte (latrocínio). O terceiro envolvido, por ser adolescente, é julgado por outra Vara.

O delegado titular da Derrfva destaca o comprometimento de toda a equipe policial para que possibilitar uma rápida resposta aos familiares e à sociedade sobre o grave crime cometido. “A condenação dos suspeitos demonstra que a agilidade nos trabalhos investigativos esteve, todo o tempo, alinhada aos aspectos técnicos e legais”, afirma.