ARTICULAÇÃO: após Serv Saúde e Sispmur, Rubens Paulo quer Impro

ARTICULAÇÃO: após Serv Saúde e Sispmur, Rubens Paulo quer Impro

SHARE
Rubens Paulo apoia Cláudia Lugli para direção executiva do Impro nas eleições do próximo dia 14 de junho. Foto - Redes Sociais

Atual secretário geral do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Rondonópolis – Sispmur, o professor concursado da rede municipal de ensino, Rubens Paulo, tem demonstrado uma capacidade surpreendente de articulação política em meio aos chamados efetivos do funcionalismo municipal. Após ter se perpetuado por nove anos, em três mandatos consecutivos, no comando do Sispmur – 2008 a 2016 – o sindicalista conseguiu projetar um bom plano de poder em todas as instituições ligadas aos trabalhadores e pode estar próximo de alcançar o objetivo de maneira completa.

Após deixar o Sispmur há dois anos atrás, Rubens conseguiu construir uma sucessora e a elegeu, permanecendo próximo ao controle do Sindicato. A também professora, Geane Lina Teles, foi eleita com o ex-presidente permanecendo na chamada rotina de decisões da agremiação. Rubens ainda emplacou outra aliada no comando do Instituto de Assistência a Saúde dos Servidores – Serv Saúde, Jacilene Silva, que desde janeiro de 2015 responde pelo órgão. O novo e último alvo de Rubens é um querer antigo: o Instituto de Providência dos Servidores – Impro. Para isso, aposta no nome da advogada, Cláudia Costa Lugli, para tentar impedir a reeleição de Roberto de Carvalho.

Roberto, aliás, passou um final de mandato conturbado na direção executiva no Instituto. O atual prefeito, Zé Carlos do Pátio, chegou publicar um decreto de intervenção junto ao Impro, nas últimas semanas, exonerando Roberto do cargo, acompanhando solicitação feita pelo Sispmur ainda em 2014 e reiterada em 2018. O juiz da 2ª Vara da Fazenda Pública de Rondonópolis, Dr. Edson Dias Reis, no entanto, deferiu um pedido liminar  do atual diretor e cassou o decreto do Executivo Municipal, possibilitando que as eleições ocorressem normalmente.

Ou seja, apesar de Roberto Carvalho agora ser o candidato da situação no Instituto, não é o candidato “da situação” em relação ao grupo político do atual prefeito da cidade, que está mais próximo de Cláudia, bem como não tem o apoio do comando do Sispmur, comandado pelos aliados de Rubens. A votação para definição da nova diretoria do Instituto de Previdência ocorre no próximo dia 14 de junho. Caso conquiste o último objetivo possível no funcionalismo, só restará a Rubens Paulo efetivar, em 2020, o mandato de titular de uma das 21 cadeiras do legislativo local, algo já perseguido por ele há algum tempo.

Na última legislatura, aliás, o sindicalista, que era suplente direto na Câmara de Vereadores, teve bastante espaço e permaneceu na titularidade por alguns meses enquanto Rodrigo da Zaeli (PSDB), atual presidente e marido de Cláudia Lugli, assumiu temporariamente o comando da Companhia de Desenvolvimento de Rondonópolis – Coder, durante a gestão de Percival Muniz.

3 COMENTÁRIOS

  1. O texto publicado nos faz lembrar do golpe perpetrado pela administração passada, quando não permitiu a realização da eleição para escolha do Diretor Presidente do IMPRO.
    Então, o mandato do atual Diretor Presidente do IMPRO, não foi uma escolha dos servidores públicos de Rondonópolis por meio de um processo democrático – eleição – ou seja, o atual Diretor Presidente do IMPRO é fruto de um golpe praticado pelo ex-prefeito em conluio com os ex-gestores do Instituto.
    Razão pela qual, o mesmo não será reeleito, poderá ser eleito, mas não reeleito, visto que, não obteve nenhum voto para ser o atual Presidente do IMPRO.
    Vale informar que não é verdade a informação de que: 119 milhões de 2015 se transformaram em 220 milhões. O atual Diretor esqueceu de informar que os servidores contribuíam com 9% e agora são 11% sobre a sua remuneração; e a prefeitura passou de 13% para 23% a sua contribuição.
    De 2015 até 2018 foram repassados a título de contribuição mais de 112 milhões ao Instituto, ou seja, o valor informado de 220 milhões não é fruto rendimento das aplicações em fundos de investimentos, portanto, faltam com a verdade quando propagam aumento no patrimônio do IMPRO de 84%, como sendo um grande feito da atual administração do Instituto, na verdade esse valor é contribuição dos servidores e da prefeitura.

Deixe uma resposta para HEITOR DOS SANTOS SILVA Cancel reply