Após ‘Carne Fraca’, abatedouro reduz produção em Pará de Minas
Fullbanner1



Após ‘Carne Fraca’, abatedouro reduz produção em Pará de Minas

Fonte: Do G1 Centro-Oeste de Minas
SHARE

Por causa dos embargos à carne brasileira praticados por vários países após a Operação ‘Carne Fraca’, da Polícia Federal, um abatedouro de bovinos em Pará de Minas reduziu a produção em 20%. Na cidade, a carne de frango corresponde a 70% da produção e os 30% restantes são divididos entre suínos e bovinos. Mas de acordo com o presidente do Sindicato Rural, Eugênio Mendes Diniz, até agora um abatedouro de gado reduziu a produção.

De acordo com o gerente da Plena Alimentos, José Maurício de Oliveira, a empresa tomou a medida de diminuir a quantidade de cabeças de gado abatidas de segunda a sexta-feira e de interromper a produção no sábado, mas não houve demissão de funcionários.

A unidade exporta carne bovina para a China e Hong Kong. A primeira, maior compradora da carne brasileira em 2016, suspendeu as importações após a operação da PF, mas já retomou as compras. Já Hong Kong, o segundo maior comprador de carne do país, restringiu as importações e mantém a decisão até o momento.

“Por causa disso, optamos por reduzir o abate em 20%, para que nosso produto não sobre no mercado interno. Isso impede que haja super oferta, que gera queda nos preços. Estamos acompanhando os desdobramentos dessa operação no mercado mundial e tentando minimizar os danos”, explicou.

Ainda conforme Oliveira, a capacidade instalada permite o abate de 500 cabeças de gado por dia e a produção já havia sido reduzida em 30% desde 2015, por causa da crise econômica nacional. “Agora diminuímos, mas foi por causa da queda no consumo proveniente da ‘Carne Fraca’, passamos a operar com 50% da nossa capacidade, com abate diário de 250 cabeças. Ainda não tivemos redução no quadro de funcionários por causa da operação. Acredito que o tsunami já passou e que logo tudo voltará ao normal”, acrescentou.

Aves e suínos
O presidente do Sindicato Rural, Eugênio Mendes Diniz, comentou que na cidade os impactos da operação “Carne Fraca” ainda não podem ser totalmente percebidos.

“Isso balançou o mundo inteiro. Aqui em Pará de Minas nós produzimos bovinos, suínos e aves para os mercados nacional e internacional. Dependemos muito do mercado externo. Ainda não podemos falar muito sobre o que vai acontecer, mas se as restrições do consumo continuarem, poderá haver outros impactos”, concluiu.