Após atitude ilegal de gestor afastado, Prefeitura ingressa com ação judicial para...
Adventista

Fullbanner1


Após atitude ilegal de gestor afastado, Prefeitura ingressa com ação judicial para reaver objetos do Impro

Fonte: Da redação
SHARE

A Procuradoria da Prefeitura de Rondonópolis ingressou, nesta sexta-feira (18), com uma medida judicial de busca e apreensão para reaver todos os objetos de propriedade do Instituto Municipal de Previdência Social dos Servidores de Rondonópolis (Impro). O instituto de previdência teve toda a sua diretoria afastada, nesta quinta-feira (17), após um decreto de intervenção de 180 dias do prefeito Zé Carlos do Pátio.

Segundo o procurador-geral do município, Anderson Godoy, a Prefeitura entrou com a ação judicial tendo em vista a atitude ilegal praticadapelo diretor afastado, Roberto Carlos Correa de Carvalho, sendo que ele determinou a sspensão do expediente do Impro levando consigo todas as chaves das portas da sede e do veículo. Além disso, se negou a repassar as senhas de todos os computadores para a interventora nomeada, a servidora aposentada Maria de Fátima Rezende.

Com isso, o procurador-geral destacou que a Prefeitura teve que exercer o poder de Polícia Administrativa, usando um chaveiro para abrir as portas da sede do Impro.

“O Poder Executivo teve de agir dessa forma porque o diretor afastado desobedeceu as determinações contidas no decreto de intervenção”, lembrou Godoy.

Para ele, a atitude do gestor afastado coloca em risco o pagamento do salário dos aposentados e pensionistas, pois a folha salarial já estava em processamento.

O procurador ainda lembra que a Prefeitura buscou, a todo instante, promover uma intervenção de forma pacífica e harmoniosa. No entanto, os gestores afastados se negam a cumprir o decreto e promover a transição para a interventora.

Motivos da intervenção

A Prefeitura esclarece que tem o dever e o poder de apurar qualquer situação anormal no Instituto Municipal de Previdência Social dos Servidores de Rondonópolis (Impro).

A intervenção determina o afastamento cautelarmente dos atuais ocupantes dos cargos de direção e gerência do Impro e também suspende as atribuições do conselho curador, fiscal e do comitê de investimento do Impro.

A Prefeitura também destaca que em 2014 já tinha pedido a intervenção do instituto. Em 2018 o Sispmur reiterou o pedido. Além disso, também existe uma ação de improbidade contra o Impro em decorrência da operação da Polícia Federal “Encilhamento”, em que houve busca e apreensão de documentos e equipamentos do Impro. Outro motivo foi que, apesar da operação, não foi tomada nenhuma providência interna para apuração dos fatos e responsabilização.