Análise: nem plano B de Abel funciona, e Fluminense tem pior atuação...
Fullbanner1



Análise: nem plano B de Abel funciona, e Fluminense tem pior atuação do ano

Fonte: Hector Werlang
SHARE

Não foram apenas as cinco chances claras de gol que resumiram a superioridade do Madureira. Além de não conseguir evitar o bombardeio a Julio César, o Tricolor sequer teve força para equilibrar o confronto de sábado em Los Larios. Foi dominado durante os 90 minutos e só chegou à final da Taça Guanabara graças a erros de finalização do adversário, sorte de levar bola no travessão e defesa milagrosa Julio César. A jornada foi tão atípica que nem o plano B de Abel Braga funcionou para evitar a pior apresentação da temporada.

Méritos, claro, ao Madureira. Na pré-temporada, a equipe de PC Gusmão já havia dado trabalho em um jogo-treino: perdera de 2 a 1 nos minutos finais. Qual a tática usada? Foi a primeira vez em 2017 que o Flu encarou um oponente que se propôs a marcar adiantado. Assim, a intensa troca de passes, as triangulações e a movimentação do meio ficou comprometida. Wellington, Sornoza e Scarpa não funcionaram posicionados em linha. Douglas, o elemento surpresa, pouco avançou. Teve de guardar posição para ajudar Orejuela a controlar Luciano e Júlio César. Desta forma, as ações eram previsíveis. Nem os laterais conseguiram ajudar.

– Quase nunca coloco o Plano B antes do jogo. Mas hoje coloquei, por causa do Luciano, jogador deles. Ele larga o lado e vai para o meio, para ter vantagem. Trouxe o Scarpa para dentro, com Junior, Douglas e Orejuela. Fizemos um quadrado. Passou a supremacia, mas a gente foi muito mal no jogo. O Madureira sempre foi superior. O nosso nível técnico foi muito abaixo – reconheceu Abelão.

Foi mesmo. Só analisar as estatísticas. Posse de bola, passes errados, finalizações… em todas, o Madureira foi melhor. O jogo buscando o pivô de Souza e as bolas cruzadas à área deram trabalho. Mesmo conhecendo, o Flu foi envolvido. E, após a saída de Scarpa, quem mais concluiu a gol, por exemplo, perdeu o pouco que tinha diferente. Sornoza e Wellington, com problemas físicos durante a semana, de acordo com o treinador, não puderam render o normal.

– A gente não fez um bom jogo, o time deles foi melhor. Foi a primeira vez que aconteceu, não era o momento de fazer uma partida abaixo justo em uma decisão. Mas a gente passou, não sofremos gol. A nossa campanha foi boa e foi ela que nos deu a chance de ir para a final – acrescentou o lateral-direito Lucas.

Verdade. O Tricolor manteve a segurança ofensiva – são seis jogos sem sofrer gol no estadual. Mesmo depois da expulsão de Douglas, a equipe teve forças para manter o resultado. Abel citou “alma” para definir a situação. Teve mais: se postou em duas linhas de quatro e impediu infiltrações. Marquinho entrou bem, conseguiu dar mobilidade ao meio. Richarlison, com velocidade, quase marcou no começo do segundo tempo. E Pierre, já na reta final da partida, ajudou na recomposição. Agora, claro, para ser campeão é preciso mais.

– O
time deles é melhor. Joga há um ano junto, mesmo treinador, que faz ótimo
trabalho. Agora, meu time não será o que foi hoje. Nem pensar. Vamos dentro – prometeu o comandante.

O Fli está de folga no domingo. A reapresentação será na segunda-feira. Na quarta, há o confronto com o Sinop pela Copa do Brasil. O Fla-Flu está marcado para domingo.