Amante e mais 3 têm prisão decretada por morte de fazendeiro que...
Supermoveis



Amante e mais 3 têm prisão decretada por morte de fazendeiro que a chantageou com fotos íntimas

Fonte: G1
SHARE
Marido, amante, vizinho e filho são apontados como autores do homicídio do fazendeiro em Juara (Foto: Polícia Civil de MT/Divulgação)

Quatro pessoas apontadas pela polícia como responsáveis pela morte do fazendeiro Moisés Moraes, de 57 anos, tiveram a prisão decretada pelo juiz Pedro Flory Diniz Nogueira, da 3ª Vara Criminal de Juara, a 690 km de Cuiabá.

O fazendeiro foi morto pela amante e pela família dela, depois de supostamente ter chantageado divulgar imagens e conversas íntimas deles.

Ele estava desaparecido desde o dia 29 de janeiro, até que a Polícia Civil descobriu, na semana passada, que ele foi morto e teve o corpo queimado pelos suspeitos.

Constam como autores do crime as seguintes pessoas: Maria Aparecida Alves, de 44 anos, (amante de Moisés), Nadir Mota, de 53 anos, (marido de Maria Aparecida) Tiago Alves Mota, de 22 anos, (filho de Maria e Nadir) e Lindomar Cardozo da Silva, de 39, (vizinho e amigo do casal).

“Foi decretada a prisão de quatro dos cinco envolvidos. Com exceção da filha do casal, que não participou do homicídio, mas do transporte do cadáver. No dia [que o crime foi descoberto] não havia mandado de prisão contra eles, nem estava em [situação de] flagrante, por isso foram soltos”, explicou  o delegado Carlos Henrique Engelmann.

Eles tiveram a prisão decretada e são considerados foragidos da Justiça.

O caso

Moisés era casado e tinha um relacionamento extraconjugal com Maria, também casada, que era vizinha dele. Os dois estavam juntos há cinco anos e planejavam deixar os respectivos parceiros para assumirem o relacionamento.

Segundo as investigações, Moisés frequentava a casa da família da amante e estava se separando da atual mulher para ficar com ela, que voltou atrás e decidiu não se separar.

As investigações apontam que o fazendeiro passou a pressionar a amante para que ela se separasse, ameaçando mostrar fotos e vídeos deles ao marido dela.

Então, se fazendo de vítima, a mulher inventou uma história ao filho Tiago, dizendo que era abusada sexualmente e ameaçada com uma arma por Moisés.

Conforme a polícia, Tiago acreditou na versão e contou para o pai que também acreditou na história da mulher. Na tarde do dia 29 de janeiro, o marido fez com que a mulher ligasse para Moisés e o chamasse para se encontrar com ela.

Moisés foi atingido com mais 10 tiros disparados pelo filho da suspeita. Depois, ainda foi baleado duas vezes pelo vizinho e pelo marido.

Após ser morto, o corpo do fazendeiro foi enrolado em uma lona e levado para o meio do pasto, onde a família ateou fogo junto com uma pilha de madeira. O corpo permaneceu queimando por três dias e se desintegrou totalmente.