Água Boa será uma das cidades sedes dos Jogos Escolares
Adventista



Água Boa será uma das cidades sedes dos Jogos Escolares

Fonte: NOTÍCIAS DE MATO GROSSO com Assessoria
SHARE

Água Boa (a 730 quilômetros de Cuiabá) recebe, no mês de maio, uma das etapas regionais dos Jogos Escolares da Juventude de Mato Grosso. A cidade respira esporte, principalmente por conta do projeto social da prefeitura que atende 2500 crianças e adolescentes (dos sete aos 17 anos) por meio de diversas modalidades esportivas.

Neste ano, a Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer (Seduc-MT) tem como proposta pedagógica utilizar os Jogos Escolares como mecanismo social e ferramenta de ensino-aprendizagem. Em Água Boa, a Seduc encontra um ponto de apoio, estruturado, para disseminar essa ideia.

O projeto social Escolinha Desportiva – que existe desde 1990 – está em todos os cantos de Água Boa. Nas praças da cidade sempre há um grupo de jovens fazendo treinamento de basquete, futsal, handebol ou vôlei. Ainda há as modalidades de futebol de campo, tae-kwon-do, caratê, natação e skate. 

Os treinamentos acontecem de segunda a sexta-feira e todos são acompanhados por profissionais que foram contratos exclusivamente para atender o projeto.

Uma das modalidades que mais se destaca é o basquete, que já revelou muitos talentos e rendeu importantes títulos estaduais para cidade. Os estudantes João Vitor Valadares, 15 anos, e Dhyonatan Souza Weiricha, 15 anos, são exemplos desse sucesso que alia à prática esportiva com educação.

No ano passado os garotos fizeram parte do time da Escola Estadual Antônio Grohs, que representou o basquete de Mato Grosso na etapa nacional dos Jogos Escolares da Juventude, que ocorreram em João Pessoa. Eles competiram, mas acima de tudo fizeram novas amizades, viajaram para fora do estado e conheceram o mar.

Para o gerente de Esportes de Água Boa, Gilberto Liel, o esporte é fascinante porque proporciona a oportunidade de uma criança carente conhecer algo novo, que ela nunca imaginou que veria um dia.

 Ao trabalhar o social, o projeto Escolinha Desportiva já revelou grandes talentos para o esporte. O exemplo mais recente disso são três garotos que no ano passado chamaram atenção de grandes clubes de basquete do Brasil, durante os Jogos Escolares da Juventude de João Pessoa.

Um deles, o Eduardo, está jogando no Minas Tênis Clube com todo aparato possível. Estuda em colégio particular, recebe bolsa-auxílio R$ 500 e quando completar o Ensino Médio poderá fazer a faculdade que quiser tudo por conta do clube mineiro.  

Liel ressalta que é justamente esse o objetivo do projeto: dar oportunidades aos jovens. “Nossa intenção não é formar grandes atletas. O foco desse projeto é social, é tirar as crianças da rua. Se ela vai se transformar em um grande atleta isso é consequência do trabalho”, enfatizou.  

A professora Arlene Escher, que atua desde 2012 no projeto, reforça o caráter social da ação. Ele trabalha o basquete com as crianças e encara a prática como um grande encontro desses jovens e não apenas um treinamento esportivo.

Ela detalha que são inúmeros os casos de jovens que encontraram no esporte um caminho a seguir. “Esse projeto consegue resolver muitos problemas comportamentais da nossa juventude de Água Boa. Já conseguimos tirar muitos jovens das drogas com a prática esportiva”, observou a professora.

Proposta pedagógica dos jogos

Objetivo da ação é usar os jogos escolares como ferramenta de ensino-aprendizagem para os alunos. Para isso a Seduc traz, neste ano, uma série de propostas pedagógicas para relacionar a prática esportiva com o conteúdo passado em sala de aula.

Uma das sugestões é promover aulas de campo com os alunos que farão pesquisas sobre o impacto econômico gerado nas cidades que recebem o evento. Isso pode contar como hora-aula na disciplina de matemática, por exemplo. Outras sugestões são apresentações culturais ou feiras científicas instaladas nos espaços de convivência dos jogos escolares.  

Para o gerente de Esporte de Água Boa, Gilberto Liel, a proposta pedagógica da Seduc vai trazer uma visão diferenciada para os jogos escolares. Conforme ele, esse processo fará com que todos os alunos participem do evento e não apenas aqueles que competem nas quadras. “Essa proposta vai agregar, vai mostrar que os jogos não se resumem a uma bola na quadra”, disse.