Agroindústria produz uma tonelada de polpa de frutas em assentamento rural
Supermoveis



Agroindústria produz uma tonelada de polpa de frutas em assentamento rural

Fonte: NOTÍCIAS DE MATO GROSSO com Assessoria
SHARE

Com uma produção de uma tonelada de polpa de frutas por mês, a agroindústria do Assentamento Rural Cachimbo, no distrito União do Norte, pertencente ao município de Peixoto de Azevedo (691 km ao Norte de Cuiabá), pretende beneficiar 200 produtores rurais. Sob administração da Associação de Mini e Pequenos Agricultores do Projeto de Assentamento Cachimbo (Agripac), os produtos estão sendo vendidos para a merenda escolar, comércio local e para a Capital.

A agroindústria recebeu recursos na ordem de R$ 40 mil do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Agropecuário (Prodesa), para construção do prédio e aquisição de equipamentos. Foi adquirida uma máquina com capacidade para produzir 150 quilos de polpa por dia das seguintes frutas: caju, acerola, manga, cupuaçu, açaí, goiaba, buriti, cajazinho, e outras.

A Secretaria de Estado de Agricultura Familiar e Assuntos Fundiários (Seaf-MT) é a gestora do Programa e a Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) é responsável pela elaboração de projetos e assistência na execução da agroindústria. Participam também as prefeituras municipais e organização de agricultores.

Conforme o técnico agropecuário da Empaer, Itamar de Andrade, o aproveitamento e valorização da fruticultura por meio da fabricação e comercialização vão agregar valor ao produto, gerar renda e aproveitamento da safra. Para redução de perda por maturação avançada, os frutos são colhidos e processados de acordo com a produção. O objetivo é fortalecer a agricultura familiar, incentivar a produção da comunidade, garantir a venda e, acima de tudo, melhorar a vida dos agricultores com a geração de renda e o desenvolvimento da economia local.

O diretor financeiro da Agripac, Pedro Dirceu de Medeiros, relata que começaram a produzir em dezembro de 2016, período da colheita da goiaba, e até o momento já foram produzidos quatro mil quilos de polpa. Os preços variam de R$ 7,00 a R$ 10,00 o quilo da polpa e a embalagem de 100 gramas é comercializada por R$ 1,50.  “Estamos melhorando as nossas embalagens, que logo estarão no mercado com o valor nutricional de cada fruta”, ressalta.

De acordo com Medeiros, a agroindústria ainda está em fase experimental e não tem capacidade para estocar grandes volumes de polpas. Ele explica que o associado envia a fruta para processamento e retorna com as polpas para armazenar na refrigeração de sua propriedade. “Nossa expectativa para esse ano é expandir a produção, garantir renda para as famílias rurais e a permanência também dos jovens no campo”, conclui.