Adilton contesta acusação de Percival de provocar desunião política na cidade
Fullbanner1

Fullbanner2


Adilton contesta acusação de Percival de provocar desunião política na cidade

4
Fonte:
SHARE
Foto:Assessoria.

O deputado Federal Adilton Sachetti (PSB), se manifestou hoje (26), e se disse bastante surpreso com as acusações infundadas do prefeito Percival Muniz, efetuadasna abertura da campanha politicadurante uma entrevista a uma emissora de tv da cidade, onde o acusou de ser o responsável por uma suposta desunião política na cidade.

Questionado sobre as acusações do prefeito candidato a reeleição, o deputado se mostrou surpreso e negou qualquer participação nessa suposta e inverossímil acusação. “É lamentável que no primeiro dia, no início dos programas eleitorais o prefeito Percival Muniz tenha seguido por este viés, adotando esta linha de colocação! Em momento nenhum eu trabalhei pela desunião de Rondonópolis! Eu acho que a imprensa está aí, e é testemunha, a cidade está aí e também é testemunha de que desde o inicio eu trabalhei para unir a cidade. Eu trabalhei e defendo sim, a união verdadeira da cidade, baseada em propostas, baseada em princípios e baseada em valores! Talvez alguns não consigam aceitar isso, e não quiseram participar porque não conseguem cumprir essas coisas. Mas não tentei, não fiz, e não vou fazer nunca a desunião. Sempre trabalharei para a união da cidade e pela convergência”, explica.

O deputado argumentou que Rondonópolis merece mais que uma discussão simplória como a que o prefeito quer direcionar o processo eleitoral na cidade. “Rondonópolis merece que os gestores tenham compromisso com os valores éticos, com os valores morais, dignos de um bom gestor público. E é isso que nós queremos numa composição. Nós não podemos abrir mão desses valores. Não dá para chegar e passar hoje em dia, todo mundo vendo a situação da política brasileira se esfacelando, e a gente continuar do mesmo jeito. Ou muda-se estas práticas e a forma de fazer política, ou não tem validade nenhuma estarmos na política. Continuar este “status quo” que ai está, onde o Brasil está aí sendo visto com as vísceras expostas, escancaradas, as vísceras da safadeza, do roubo, da malandragem e da corrupção, todo mundo vendo, não da mais! Então quero lamentar a forma simplista que o Percival colocou que eu estou causando a desunião. Jamais eu causarei desunião! Trabalharei sim, sempre pela união e pela convergência”, desabafa.

Na verdade, desde que foi eleito deputado federal a cerca de dois anos, Adilton tem procurado trabalhar assim em Brasília, defendendo os interesses das comunidades de Rondonópolis e do estado de Mato Grosso. E segundo afirmou; “apenas uma vez durante todo esse tempo, e durante um dia apenas, eu tive o privilégio de receber no gabinete o prefeito Percival. Eu acho que isso sim, demonstra a não vontade de união da cidade. Ele é o prefeito.Então porque só agora em época de campanha política ele vem falar em união? Porque não houve durante esses quase dois anos nenhuma visita para discutir as obras da cidade, para discutir o que agente poderia contribuircom a cidade? Então é lamentável que no início do programa eleitoral se induza as pessoas a pensar desta forma. Nós; eu, e o Rogério Salles, candidato apoiado pelo nosso grupo, queremos uma política com honestidade, com transparência, baseada em valores! Nós queremos uma política baseada no compromisso! Uma politica onde a palavra dada é para ser cumprida. Então não é dessa forma. Não estamos desunindo e nem vamos fazer nada nesse sentido. As nossas propostas são de trabalhar pela união e pelo crescimento da nossa cidade”, explicou.

Montreal

4 COMENTÁRIOS

  1. O prefeito está procurando um para responsabilizar pela sua derrota nas urnas. Passou todo o mandato perseguindo servidores efetivos e agora quer tê-los ao seu lado. A perseguição agora é contra os servidores contratados, exigindo a presença nos atos a favor do prefeito, bem como adesivar os carros, só que isto não significa voto, só inflama. A população quer uma auditoria profunda nas contas desta gestão.

  2. espero que o próximo prefeito não faça persiguição aos servidores,pois provoca stress desnecessario para todos alguns chefes da educação foram verdadeiros fascistas eles esquecem que 4 anos passa rápido ,isso vai custar caro ao perci e ao reginaldo.tentaram colocar a população contra agente esquecendo que nesse tempo de crise nós contribuimos com uma grande movimentação da economia no comercio local e volta em forma de impostos para a própria prefeitura.vamos por o barba de molho até aprender

  3. Está acontecendo um “fenômeno” que precisa de explicação: Já fui abordado por meia dúzia de cabos eleitorais de vereadores. Nem uma só palavra sobre o candidato a prefeito, que em tese, para o qual deveriam estar trabalhando . E quando a gente pergunta o que eles estão vendo e ouvindo pelas ruas, a resposta é quase unânime: ZÉ!

DEIXE SEU COMENTÁRIO

SHARE
Previous articleFEX deve ser repassado ainda este mês, diz governador
Next articleClientes da Energisa podem renegociar dívidas