Abel cobra vitória, e Flu abre caminho contra série negativa em clássicos
Supermoveis

show


Abel cobra vitória, e Flu abre caminho contra série negativa em clássicos

Fonte: Hector Werlang
SHARE

Recém-chegado ao Fluminense, Sornoza entendeu a importância
de vencer um clássico em conversas com Abel Braga. O meia colombiano, após o 3
a 0 sobre o Vasco, domingo, no Nilton Santos, revelou que o treinador havia
cobrado o grupo a dar fim aos recentes insucessos diante do tradicional rival.
Pois o comandante tem legitimidade para tal. Comandou o clube em 2012, ano do último
título Carioca, a temporada de melhor desempenho,
contando ainda confrontos diante de Botafogo e Flamengo.

 

Abel conseguiu mobilizar novatos e quem está no grupo há
mais tempo. Deu certo: a vitória por três gols de diferença foi significativa e
histórica. Há 30 anos o Flu não vencia o Vasco por mais de dois de diferença. A
última vez foi em 12 de abril de 1987, no Maracanã, pela Taça Guanabara, com
gols de Assis, João Santos e Washington: 3 a 0, como o deste domingo.

 

– Fiquei muito feliz por jogar e ganhar o primeiro clássico.
O treinador havia dito, antes da partida, que fazia tempo que a gente não
ganhava do Vasco. Espero que continue assim – comentou Sornoza.

 

Gustavo Scarpa viveu o período de insucesso. Para ele, o mérito
de Abel é ter dado padrão tático ao time, algo fundamental em clássicos:

 

– Os dois últimos anos foram complicados em relação a
clássicos. Algumas vezes jogamos bem, mas não vencíamos. O Abel chegou para
tentar dar um padrão tático, acho que ele conseguiu. A galera comprou a ideia
dele. A gente fez por merecer.

 

Não à toa, ainda no estádio, a torcida vibrou muito. Abel viu,
disse saber da importância. Ainda mais em começo de trabalho, um trabalho de
reformulação. 

 

– Estou animado, claro, pelo torcedor. No ano passado,
estava preocupado e decepcionado como eles. Meu lado tricolor mexeu ao ver o
público cantando. Isso mexe, dá confiança. Volto a frisar: não queria jogar
clássico na primeira rodada. Deu o resultado, mas falta muita coisa – analisou o
comandante.

 

O Flu volta a campo, quarta-feira, em Moça Bonita, diante do
Resende. A partida está marcada para as 16h30 (de Brasília).