A exemplo de Taques, só que mais cedo, Pátio escolhe infraestrutura
Supermoveis

Fullbanner2


A exemplo de Taques, só que mais cedo, Pátio escolhe infraestrutura

Fonte: Da Redação
SHARE

O prefeito de Rondonópolis, Zé Carlos do Pátio (SD), assim como seu amigo e governador de Mato Grosso, Pedro Taques (PSDB), não vive mil maravilhas com o peso da responsabilidade da chefia do executivo nas costas. Ao passo que o segundo tem o estado de Mato Grosso como o grande “abacaxi” de sua carreira política para solucionar, o primeiro tem a maior cidade do interior e talvez o povo mais exigente de todo território mato-grossense para encarar. Embora Zé tenha menos de um ano de gestão e o tucano já caminhe para o fim do seu terceiro, é possível traçar alguns paralelos entre ambos e notar uma escolha em comum: a priorização da infraestrutura.

Coincidentemente, enquanto Pátio sofreu alguns desgastes com a saúde, como um recente escândalo sobre a estrutura do Hospital da Criança, o popular “peazinho”, bem como outros problemas pontuais, o governador vive com o mesmo setor uma das maiores crises nacionais em se tratando de unidades regionais de atendimento. A cada dia, algum hospital pólo em atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS) anuncia fechamento ou, no mínimo, ameaça fechar.

A relação com os servidores e seus respectivos salários também não é nada harmônica. No entanto, pacotes de investimento em pontes, asfalto para rodovias estaduais e a tão sonhada finalização do VLT cuiabano avançam em outro ritmo.

Se Taques vê na deliberação de emendas de custeio da bancada federal o oxigênio necessário para respirar aliviado em fim de mandato, no que tange a saúde, o prefeito de Rondonópolis, ao que parece, terá uma segunda etapa de mandato, ou seja, seu terceiro e quarto ano, bem mais tranquila. Enquanto aguarda mais de R$ 80 milhões em investimentos já confirmados em deliberação coletiva de toda bancada federal; para 2018, a serem investidos em infraestrutura de bairros, Pátio também já recebeu as boas notícias de emendas individuais, como as do senador, José Medeiros (Pode-MT), e do deputado federal, Adílton Sachetti (sem partido), para encorpar com outros milhões ainda mais os recursos para diminuir as ruas de chão de terra na cidade.

O prefeito tem ido mais a Brasília, tem esperado menos e botado “o carro mais na rua” e em outro nível de investimento, já que não dá para comparar a qualidade do serviço feito atualmente, por exemplo, no centro da cidade, com a famigerada “lama asfáltica” que Pátio deliberou da outra vez que esteve na Prefeitura.

Ao que parece, as “pancadas” levadas no primeiro mandato (2009 a 2012) fizeram Pátio tender a necessidade de agir, o que fica provado até mesmo com os R$ 8 milhões em recursos próprios já em execução para recapear 17 quilômetros do centro da cidade. Já Taques, em seu primeiro mandato como dono da caneta, talvez tenha escolhido a prudência e a reflexão para tomar decisões, o que fez diminuir seu percentual de erros, mas, consecutivamente, o de acertos.

Operação de recapeamento da região central já está em execução em Rondonópolis


Montreal

5 COMENTÁRIOS

  1. Mas e o SAGRADA FAMÍLIA? como fica? na época de eleição aparece todo vereador prometendo o céu, agora some todos. VEREADORES, cade vocês que nem tocam no assunto mais.

  2. Gente não consigo entender. O município de Rondonópolis, 2a. Arrecadação de impostos do estado e a prefeitura, através da Coder, a tão surrada Coder ! Não conseguem ter 1 máquina de asfalto quente. Toda vez que fala em recapeamento asfáltico é através de empreiteiras. As famosas empreiteiras.

  3. “…para encorpar com outros milhões ainda mais os recursos para diminuir as ruas de chão de terra na cidade.”
    Tem que se preocupar em dar qualidade as ruas, e não jogar uma bosta de uma manta em cima de um monte de buraco… algo que daqui um ano, já vai ter buracos denovo!

  4. Salvo engano, o TCE mandou dar um STOP nas obras. Parece que tem algo “podre” no processo licitatório – superfaturamento. Na época do Percibuco Munizoff, os condutores de veículos penavam com o “asfalto diarreia” – aquela merda mole – que era espalhada pelos bairros que escoria na primeira chuva. O Zé, em termos de obra, inovou! Tapar aquele “valetão” lá da Rodovia dos Estudantes – próximo à rotatória da Coophalis com areia e terra foi uma das coisas mais bisonhas que já vi. NOTA ZERO!

  5. A lama asfáltica aplicada no prolongamento da Rua José Barriga sentido Vila Operaria já acabou todo.
    Menos de dois meses e nada restou.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

SHARE
Previous articleEXCLUSIVO: vídeo mostra ação de policial para deter homem que queria esfaquear ex e filhos
Next articleSTF arquiva denúncia contra Maggi, mas mantém Cidinho sob investigação