INOVAÇÃO: primeira colheitadeira de Mamona do planeta será lançada no Farm Show
Fullbanner1

Fullbanner2


INOVAÇÃO: primeira colheitadeira de Mamona do planeta será lançada no Farm Show

Fonte:
SHARE
Ilustração

Redação / Assessoria

A colheita mecanizada da mamona agora já é possível, graças ao lançamento da primeira colheitadeira fabricada especialmente para esse fim.

A demanda crescente dessa oleaginosa coloca a mamona novamente no mercado, tornando o seu cultivo em rotação com a soja, uma opção viável para a segunda safra.

Porém, um dos grandes percalços encontrados para uma produção em larga escala será solucionado durante o FARM SHOW, com o lançamento da primeira colheitadeira do planeta com uma plataforma projetada para fazer a colheita da mamona.

A mecanização da colheita:

Durante muito tempo, o produtor rural ficou sem o auxílio de equipamentos específicos para essa colheita em larga escala. Algumas adaptações, como colheitadeiras de milho e feijão foram utilizadas, mas não apresentavam resultado satisfatório.

A solução que aperfeiçoa o processo de produção foi encontrada por um brasileiro, o empresário Jorge Antônio da Costa Batista, da cidade de Rondonópolis- MT. “Não só a plataforma foi desenvolvida, mas também todo o sistema de debulha da oleaginosa, sendo o primeiro que colhe e debulha em um único processo, e o produto já sai diretamente para a indústria, sem ter que passar por nenhum outro procedimento” explica Batista.

A Economia e a Demanda

O aumento da produção de mamona no Brasil trará maior rentabilidade ao produtor rural ao comercializar uma segunda safra, e ao mesmo tempo, estará suprindo as necessidades do mercado brasileiro e internacional, também.

Considerando-se que hoje o Brasil importa da Índia grandes volumes dessa matéria-prima, para atender as indústrias de lubrificantes, nylon, tintas, produtos secativos entre outros, sem dúvida, uma produção nacional de mamona em grande escala, trará, além da rentabilidade ao produtor, o benefício da descompactação do solo e a estruturação e reciclagem de nutrientes do sub solo para  a  superfície.

Com viabilidade econômica, devido à demanda industrial mundial, que é maior que a capacidade de produção dos principais países produtores, a mamona, quando utilizada como forragem, agrega valor nutricional ao solo, chegando a alcançar 06 a 07 sacas de soja a mais por hectare, conforme relatos de experiências sobre a rotação dessas culturas.

A Pesquisa

A Embrapa tem trabalhado há três décadas na pesquisa e desenvolvimento de mamona no Brasil. Alcançou um progresso notável em muitas áreas, incluindo fertilidade, controle de plantas daninhas, controle fitossanitário, agregação de valor a coprodutos e recursos genéticos.

Montreal